Um local com história

Situado no Quarteirão dos Lagares (rua dos Lagares, 23), no sopé da colina da Graça, junto ao futuro jardim da Graça, numa antiga residência senhorial do século XV, o edifício onde se encontra instalado o Centro de Inovação da Mouraria é propriedade municipal desde 1998. O edifício original era constituído por 5 edifícios maioritariamente pré-pombalinos, resguardados por um muro de pedra possivelmente setecentista. As construções apresentam características de um dos raros exemplos subsistentes em Lisboa de organização espacial marcadamente islâmica, constatável no modo como o conjunto se articula através de diferentes níveis e pátios. No logradouro, foram encontrados vestígios diversos, sendo os mais relevantes os de duas fontes, uma com fragmentos de conchas, búzios e porcelana oriental do princípio da expansão portuguesa, e a outra revestida a azulejo e que data do mesmo período. 

O Centro de Inovação da Mouraria insere-se na estratégia da autarquia de regeneração do território da Mouraria, de promoção das indústrias culturais e criativas na cidade de Lisboa e de apoio ao emprego e ao empreendedorismo jovens. 

Desde a sua génese, no século XII, que a Mouraria tem uma história associada a marginalidade, pobreza e exclusão, ainda que também tenha sido sempre um território com potencialidades únicas, entre as quais o seu património cultural e edificado, e a sua centralidade na cidade de Lisboa. É neste contexto que, em 2010, a CML toma a decisão de proceder uma requalificação profunda da Mouraria e do Intendente.

Em 2011, com financiamento oriundo do QREN, entre outras iniciativas, iniciam-se as obras de reabilitação do Quarteirão dos Lagares, as quais ficaram concluídas no final de 2014. No total, foram investidos quase 2 milhões de euros na reabilitação deste edifício e na respetiva adaptação a incubadora, assegurando-se uma área útil para o efeito de cerca de 1.400 m2. A intervenção manteve e valorizou a morfologia e a tipologia da construção, mantendo as suas características islâmico-medievais, bem como os elementos identificados como marcantes: escadas e estruturas em madeira.