Home » Polo Cultural Gaivotas | Boavista » Gaivotas em Marvila

Gaivotas em Marvila

O Polo Cultural Gaivotas | Boavista e a BLX-Biblioteca de Marvila apresentam a segunda edição da rubrica de programação “Gaivotas em Marvila”.

Este programa tem como objetivo dar oportunidade a jovens artistas e novos criadores, que tenham passado pelas salas do Polo, em fase de criação ou ensaio, e que não tenham ainda um espaço de apresentação em Lisboa, de poderem utilizar o auditório da Biblioteca de Marvila como palco para a sua estreia na cidade.

É desse encontro, entre a missão do Polo de disponibilizar recursos aos artistas durante a fase de criação e desenvolvimento dos seus projetos artísticos, e os objetivos da Biblioteca de Marvila, de apresentar novos criadores e novos projetos, que surge este programa.

O programa consistirá na apresentação de primeiros trabalhos de criadores artísticos, na área das Artes Performativas, com destaque, nesta 2.ª edição, para as áreas da performance e do teatro musical.

Mais uma vez, estão todos convidados a passear nas gaivotas que, em novembro, nos levam até Marvila.

Programação novembro 2019

28 nov | qui | 21h30 - O LIVRE PENSAMENTO, por Associação Sincera

Carolina Beatriz Ângelo, chora a morte do seu marido Januário Barreto, também ele médico e companheiro de luta. Encontrou nesta perda, ainda mais força para lutar pelos direitos das mulheres. Num país governado por homens, lutou pelo direito das mulheres ao voto. Carolina, consegue contornar a lei e torna-se a primeira mulher a votar em Portugal e em toda a Europa Central e do Sul, nas eleições de Maio de 1911. Morre aos 33 anos, 4 meses depois de ter enfrentado um parlamento e um governo que queriam que o direito de voto permanecesse masculino. Em 1913, o governo republicano altera novamente a lei, especificando que só os cidadãos do sexo masculino podiam votar, eleger e ser eleitos.

Em 1931 é finalmente concedido o voto ao sexo feminino, mas não a todas as mulheres. Na realidade só depois de 43 anos de ditadura, depois da revolução de 25 de Abril de 1974 é que são abolidas todas as restrições ao direito ao voto das mulheres em Portugal.

Criação e Produção: Sincera Teatro | Texto: Paula Pais | Encenação: Paula Pais e Filipe Velez | Atores: Paula Pais, Filipe Velez e Rafael Diaz Costa | Bailarina: Carolina Varela | Músico: António Barbosa | Composição Músical: Tiago Velez | Figurinos: Silvia Ramalho Silva | Luzes: Filipe Velez e Rui Ferreira | Cenografia: Filipe Velez | Cartaz e Desenhos de Cena: Daniela Pinto | Produção: Paula Pais, Carolina Varela e Filipe Velez
Com o apoio: SPA, AGECOP

(m/14)

29 nov | sex | 21h30 DIVAS – AGORA E SEMPRE, por Happy Way

O que é ser DIVA? Neste momento poderá estar a pensar em algo com cariz negativo, mas aqui vamos revelar que é bem o oposto. Ser DIVA é ser uma pessoa, mulher ou homem, com características autênticas, de opiniões diretas e de um carisma único. Uma personalidade, que associada ao talento, carisma, glamour, presença e emoção, é capaz de envolver o mundo.

Este espetáculo é familiar e abrangente, pensado para qualquer idade, e visa elevar os valores de aceitação, autoconfiança, liberdade e direitos humanos. Cada DIVA homenageada é a personificação de diferentes conceções de liberdade.

Durante 2 horas, o público irá assistir a músicas poderosas que marcaram, e ainda marcam gerações, numa homenagem a grandes artistas nacionais e internacionais do panorama musical geral, passando pelo pop, rock, r&b, entre outros.

Palavras diretas, melodias envolventes e uma energia crescente irão levar o público a parar e a dar atenção ao que antes poderia não se ter apercebido: problemas sociais, questões pessoais, lutas pelos direitos e liberdade dos homens e das mulheres.
Através da expressão artística e de histórias de vida marcantes, procuramos inspirar a mudança ao mesmo tempo que entregamos um espetáculo memorável.

Criação/Conceito: Bruno PC | Apoio à Criação: Sandra Catarino, Daniel Cascão | Direção Artística: Beatriz Teixeira | Produção: Bruno PC, Daniel Cascão e Sandra Catarino | Assistência de Produção e Recursos Humanos: Adriana Silva | Coreografia: Daniel Cascão, Emanuel Almeida, Bruno PC em colaboração com o elenco | Direção Vocal e Sonoplastia: Bruno PC e Daniel Cascão | Texto: Bruno PC e Sara Castanheira | Cenografia: Bruno PC e Sandra Catarino | Assistência de Cenografia: António Cambão, Helena Dionísio e Prima Linha | Direção de Cena: Luísa Magrinho | Desenho de Luz: Bruno PC e Daniel Cascão | Design: Bruno PC e Sandra Catarino | Fotografia e Conteúdos Web: Bruno PC, João Carvalho e Sandra Catarino | Figurinos: Tanya Boutique, Spotlight – Estúdio Cultura, “Assaltos ao Armário”, Prima Linha

(a aguardar classificação pela CCE)

30 nov | sáb | 19h A SERIES OF INCOMPLETE STORIES THAT COMPLETE THEMSELVES, por Raquel Claudino

A series of incomplete stories that complete themselves (ASOISTCT) propõe colocar em diálogo alguns dos aspectos actuais que impulsionam a sociedade universal para a alienação, fragmentação e afastamento das suas raízes.

As vulnerabilidades de um sistema económico em decadência, a desinformação nos media, a manipulação pública, o desenvolvimento da tecnologia. A desconexão com os sentimentos e padrões sensoriais. A dicotomia entre um passado sentido e um futuro antecipado.

Direção Artística, Coreografia e Performer: Raquel Claudino | Composição Musical e Design de som – Shela | Direção Técnica – Ruben Santos | Desenho de Luz – Sebastião Dinis | Figurinos – Marisa Escaleira

(a aguardar classificação pela CCE)

30 nov | sáb | 21h30 WE MIGHT LOOK FOR NEW LOVERS, a partir de uma ideia de Miguel Ferrão Lopes

Ser sujo
ninguém quer saber
Como corpos
desencontra-
    dos no meio de um
    lugar qualquer
Amor hidráulico transe catatónico
saber estar calado
sujo
sentir
engolir
para dentro
p’ra crer

Amar é a tentativa de
escutar o tempo

Ideia Original: Miguel Ferrão Lopes | Co-criação: Ana Reis Filipe Baracho, Miguel Ferrão Lopes, Teresa Vilhena Moreira | Interpretação: Ana Reis Filipe Baracho, Miguel Ferrão Lopes, Teresa Vilhena Moreira | Apoio ao Movimento: Filipe Baracho | Música Original: Marcos Ferreira / Enkō | Desenho de luz - Zeca Iglésias | Apoio: Fórum Dança

(a aguardar classificação pela CCE)

Local:

 Biblioteca de Marvila 

Entrada livre, sujeita à lotação da sala | Bilhetes disponíveis 1 hora antes do espetáculo