Edifícios do conjunto intra-muros da Tapada da Ajuda (ISA,Observatório Astron.,Pav. de Exposições)

Fechar
Edifícios do conjunto intra-muros da Tapada da Ajuda (ISA,Observatório Astron.,Pav. de Exposições)
Edifícios do conjunto intra-muros da Tapada da Ajuda (ISA,Observatório Astron.,Pav. de Exposições)
Edifícios do conjunto intra-muros da Tapada da Ajuda (ISA,Observatório Astron.,Pav. de Exposições)
Edifícios do conjunto intra-muros da Tapada da Ajuda (ISA,Observatório Astron.,Pav. de Exposições)
Edifícios do conjunto intra-muros da Tapada da Ajuda (ISA,Observatório Astron.,Pav. de Exposições)
Edifícios do conjunto intra-muros da Tapada da Ajuda (ISA,Observatório Astron.,Pav. de Exposições)


"Conjunto de edifícios da Tapada da Ajuda (classificado como Imóvel de Interesse Público), constituído pelo Instituto Superior de Agronomia, Pavilhão de Exposições e Observatório Astronómico da Ajuda.

O Instituto Superior de Agronomia foi inaugurado em 1917, com projecto do arq. Arnaldo Bermudes (mais conhecido por Adães Bermudes), veio substituir as anteriores instalações da Cruz do Tabuado e da anexa Quinta da Bemposta. Possui uma excelente biblioteca onde se realizam várias manifestações culturais como exposições e concertos. Pela tapada há, espalhados, diversos edifícios que servem para albergar não só serviços ali montados, como também o pessoal que ali trabalha.

O Pavilhão de Exposições foi construído para a 3ª Exposição Agrícola, inaugurada em 4 de Maio de 1884, segundo projecto do arq. Luís Caetano Pedro de Ávila, inspirado no desaparecido Palácio do Trocadero, em Paris. Primeira obra de referência da arquitectura do ferro e vidro, é composto por três pavilhões de cúpulas hemisféricas, ligadas por duas galerias curvilíneas. Restaurado por altura do seu centenário, em 1984, o Pavilhão de Exposições foi restituído ao património da cidade, sendo actualmente espaço para a realização de eventos sociais e culturais. Ano de construção - entre 1881-1884.

Traduzindo uma arquitectura civil científica, de feição neoclássica, o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL) foi edificado no Alto da Eira Velha, a 100m de altitude. Partindo da ideia do astrónomo francês Faye, que defendia, em 1850, observações astronómicas em Lisboa, pois segundo ele era o único local em todo o continente europeu em que a luneta zenital pode encontrar a maravilhosa estrela Argelander, obteve autorização régia de D. Pedro V somente em 1861 para ser construído à semelhança do Observatório Astronómico russo de Poulkova, segundo projecto dos arquitectos Jean François Gille Colson e José da Costa Sequeira e do eng. Frederico Augusto Oom. A conclusão das obras em 1867 deu lugar às primeiras observações astronómicas. À planta cruciforme, com os braços orientados segundo os pontos cardeais, corresponde um corpo central de secção octogonal rodeado por quatro corpos de menores dimensões. Enquanto que o piso inferior do corpo central apresenta uma sala circular rodeada por galeria octogonal, reconhecendo-se no pavimento, em embutidos de mármore, uma rosa dos ventos, o piso superior é rematado por uma cúpula giratória a 360 graus, toda trabalhada em ferro, que acolhe um grande telescópio equatorial refractor com uma objectiva de 38 cm de diâmetro e uma distância focal de 7m. Para além desta cúpula central existem mais três salas de observação astronómica devidamente equipadas com instrumentos e janelas de observação, localizadas nas alas Norte, Este e Oeste do edifício central. Podemos encontrar ainda duas outras pequenas cúpulas exteriores dotadas de instrumentos, a Sul. Actualmente, o OAL desenvolve actividades e objectivos que incluem globalmente a investigação científica e histórica, a preservação e divulgação patrimonial e a oferta de um serviço público de excelência. Entre outras, uma das suas responsabilidades tem sido a de manter e fornecer a hora legal em Portugal."

 

Localização

Calçada da Tapada, ISA (Edif Principal)
Lisboa

Freguesia: Alcântara

Coordenadas: 
Data de actualização:
2019