Fonte Monumental da Alameda

Fechar
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda
Fonte Monumental da Alameda


Imagens cedidas por João Figueiredo

Foi idealizada no âmbito das comemorações do duplo centenário da Fundação e Restauração de Portugal (1940). A sua grandiosidade excedeu tudo o que até então se vira. A fonte veio cumprir um triplo objetivo: fornecer um fecho condigno à Alameda D. Afonso Henriques; proporcionar um miradouro sobre a Alameda, e, por fim, um objetivo simbólico, comemorativo da entrada das águas do vale do Tejo na cidade, que permitiram, em 1940, elevar o caudal destinado ao consumo. Com projeto riscado, em 1939, pelo arq. Carlos Rebelo de Andrade, só foi inaugurada em 1948. Trata-se de uma construção monumental, que abrange quase toda a largura da Alameda, dotada de um corpo central, dois outros, avançados nos extremos, com baixos-relevos, e escadarias laterais de acesso ao terraço superior, delimitado por uma balaustrada ritmada por plintos. No topo do corpo central 13 olhos de água jorram sobre enormes descarregadores, que formam cascatas de queda dupla, compostos por 2 taças sobrepostas. A partir daí a água precipita-se em catadupa para um lago superior de perfil contracurvado, de onde extravaza para um grande lago inferior de recorte elíptico. Esta fonte surge pontuada por grupos escultóricos ligados à temática da água, que traduzem repuxos e outros jogos de água. Diogo de Macedo esculpiu a figura alegórica do Tejo, segurando uma nau, que um tritão-criança procura alcançar, montado num cavalo-marinho empinado sobre golfinhos revoltos, e as Tágides com caudas de peixe, segurando golfinhos e búzios. Maximiano Alves executou as 13 figuras femininas, segurando búzios e vieiras. As fachadas dos corpos laterais, que albergam a maquinaria, exibem 2 baixos-relevos verticais com alegorias ao trabalho, em tempos polícromos, da autoria de Jorge Barradas.


Horário

  • Jogos de Água
    Todos os dias das 11h00h às 13h00 e das 18h00h às 20h00. As luzes acendem, diariamente, 15 minutos após o crepúsculo solar
  • Visitas
    Mediante inscrição prévia por e-mail:  dmaevce.daeac.dgpfmsa@cm-lisboa.pt

Localização

Alameda Dom Afonso Henriques
Lisboa

Freguesia: Areeiro

Coordenadas: 
Data de actualização:
2019