Museu de Artes Decorativas Portuguesas

Fechar
Museu de Artes Decorativas Portuguesas
Museu de Artes Decorativas Portuguesas
Museu de Artes Decorativas Portuguesas
Museu de Artes Decorativas Portuguesas
Museu de Artes Decorativas Portuguesas
Museu de Artes Decorativas Portuguesas
Museu de Artes Decorativas Portuguesas


Instalado no Palácio Azurara, edifício datado do século XVII, mas com raízes seiscentistas, foi adquirido em 1947, pelo colecionador e filantropo Ricardo do Espírito Santo Silva para albergar a sua coleção de artes decorativas. A instalação da coleção só se processou após obras de restauro, que puseram a descoberto variados painéis azulejares e, uma torre e vestígios da primitiva muralha de Lisboa, conhecida como Cerca Moura. A fundação, instituída em 1953 inclui, para além do Museu, escolas e oficinas de restauro que contemplam artes e ofícios como o douramento, restauro de azulejo, encadernação e mobiliário.

O Museu-Escola de Artes Decorativas Portuguesas desenvolve-se através de várias salas que refletem os diferentes estilos decorativos dos ambientes senhoriais portugueses, do século XVII ao século XIX. Assim, núcleos museológicos de mobiliário, têxteis, ourivesaria, porcelana, vidros, pintura e azulejo unem-se numa recriação de épocas como a de D. José ou de D. Maria I, em que o azulejo, bem sumptuário por excelência até inícios do século XIX, desempenha um papel de quase omnipresença.

A coleção de azulejos deste museu é composta por exemplares do próprio palácio em que está instalado, e de painéis provenientes da Quinta dos Chavões, Palácio dos Duques de Cadaval, Quinta do Ramalhão e Palácio do Almoxarifado, entre outros. É um testemunho fiel da evolução da azulejaria entre os séculos já referidos e "figuras de convite" painéis de delicados emolduramentos rococó e painéis neoclássicos, alguns com chinoiseries. Visitar o Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva configura-se como uma agradável viagem à vida senhorial portuguesa, testemunhando os ambientes nativos dos silhares de azulejos destinados à vida quotidiana.

As coleções do Museu são apresentadas num contexto interpretativo através da organização dos vários espaços por época e funcionalidades numa "encenação" de ambientes de uma casa fidalga portuguesa.

As visitas guiadas (mínimo 10 pessoas) necessitam de marcação prévia.

 

Proibido fotografar e filmar no interior do Museu.

 

 

 


Horário

10h00-17h00
Encerra: 3ªf, 1 janeiro, 1 maio, 25 dezembro

 


Transportes

Autocarro: 737
Elétricos: 12, 28

Contacto

  +351 218 814 600
www.fress.pt

Localização

Largo das Portas do Sol, 2
1100 - 411 Lisboa

Freguesia: Santa Maria Maior

Coordenadas: 
Data de actualização:
2017