Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis

Fechar
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis
Painéis de azulejos da fachada de Antiga Fábrica/Loja de Tintas e Pincéis


Revestimento azulejar polícromo circunscrito ao piso térreo de um edifício pombalino, entre a cantaria do soco e a do friso de transição para o piso superior, onde painéis dispostos verticalmente e interligados na parte superior, encontram-se compositivamente organizados em torno dos vãos do r/c, formando dois conjuntos separados por uma larga pilastra. Datados do primeiro quartel do séc. XX, foram pintados por António Luís de Jesus, com recurso à técnica da faiança, na Fábrica de Campo de Ourique, traduzindo um arrojado grafismo Arte Nova pouco comum em Lisboa. A sua temática alusiva ao espaço de então, uma antiga fábrica/loja de tintas e pincéis, está bem patente nos referidos painéis, que exibem medalhões circulares e ovais, inscritos em emolduramentos simétricos, de gramática vegetalista e tratamento formal Arte Nova. O azulejo surge, assim, utilizado não só como elemento decorativo, mas também como meio identificativo da fábrica/loja e publicitário dos produtos da mesma. O conjunto à esquerda da pilastra é constituído por três painéis verticais, de fundo amarelo, onde se inscrevem cartelas vegetalistas de linhas estilizadas e ondulantes, as quais, no painel central, mais largo, germinam numa flor e enquadram um medalhão com a representação em trompe-l¿oeil de um conjunto de trinchas penduradas numa escápula. A encimar o conjunto, um estreito painel horizontal, de fundo azul, desenvolve as mesmas sinuosidades vegetalistas e, recorrendo uma vez mais à ilusão da pintura, evidencia ao centro uma placa circular, semelhante às de metal moldado, relevado e aparafusado, da marca registada: ¿ZEBRA¿ e ¿BEST PORTLAND CEMENT¿ ¿ ¿TRADE MARK¿, ¿BELGIUM¿, que emoldura uma representação do referido animal. O conjunto de painéis à direita da pilastra segue a mesma lógica e tipo de representação gráfica e estilística. O painel horizontal superior exibe apenas o dinamismo sinuoso vegetalista do outro conjunto, enquanto os painéis verticais evidenciam o mesmo género de cartelas vegetalistas a emoldurar medalhões figurativos. O medalhão da esquerda, à semelhança de um registo fotográfico, representa um aspecto da fábrica em laboração, numa composição em azul e branco. Por sua vez, o medalhão da direita representa, em trompe-l¿oeil, produtos da marca ¿POMBA¿, como trinchas, pincéis, frascos, latas e outras embalagens. A sobrepujar este último medalhão, inscrita numa cartela de cor branca, surge outra placa circular com a ¿MARCA REGISTADA/POMBA¿, que enquadra uma representação da referida ave. Mais tarde, na década de 90 do séc. XX, dois painéis verticais, inacabados, foram acrescentados ao conjunto, possivelmente para colmatar a destruição dos painéis originais. Alusivos à nova actividade do espaço, uma agência de viagens, os seus medalhões centrais foram, entretanto, substituídos por composições representativas dos utensílios e materiais da fábrica/loja anteriormente referidos.

Localização

Largo do Corpo Santo, 19-23
Lisboa

Freguesia: Misericórdia

Coordenadas: 
Data de actualização:
2019