Através da análise dos rankings, pretende-se conhecer o posicionamento relativo de Lisboa (e do país) no contexto internacional, o modo como a cidade é percecionada nas suas diferentes dimensões, permitindo estruturar formas de acção no sentido de reforçar a sua competitividade e capacidade de atracção de empresas, investimentos e talentos.

Rankings Lisboa

Rankings Portugal

FT FDi: European cities and regions of the future 2014-15

Lisboa surge no top 25 deste ranking, ocupando a 22.ª posição na classificação geral.

No que respeita ao top 10 das cidades do Sul da Europa como destinos preferenciais para o investimento estrangeiro, Lisboa ocupa a 2.ª posição, precedida de Barcelona (em 1.º lugar) e seguida pelo Porto, que ocupa a 3.ª posição.

No ranking das 10 das maiores cidades europeias, Lisboa surge a meio da tabela (5.ª posição); a Região de Lisboa ocupa a 8.ª posição no top 10 do ranking das Regiões do Sul da Europa.

Quality of living worldwide city rankings 2014

No ranking das 223 cidades mundiais com melhor qualidade de vida, Lisboa integra o top 50, ocupando a 43.ª posição.

Em 1.º lugar situa-se Viena, seguida por Zurique (no 2.º lugar); em 4.º lugar encontra-se Munique, em 6.º Dusseldorf e a 7.ª posição é ocupada por Frankfurt.

World Travel Awards 2014

Portugal recebeu mais de 40 nomeações para os “óscares” do turismo europeu.

A cidade de Lisboa compete em cinco categorias distintas: 

- Melhor destino global europeu;

- Melhor destino de “city breaks” (“escapadelas urbanas”);

- Melhor destino de cruzeiros;

- Melhor porto de cruzeiros;

- Melhor aeroporto.

Top 10 Destinations in Europe 2013

A cidade de Lisboa foi eleita pela EBD – European Best Destinations como o segundo melhor destino europeu no ano 2013, somente ultrapassada por Istambul (a qual obteve apenas mais 439 votos do que Lisboa, neste ranking). Esta distinção ficou a dever-se a factores como o clima, particularmente no que respeita ao número de dias/ano e número de horas/dia de exposição solar, que lhe valem o epíteto da “Cidade da Luz Branca”, e que convidam a longos passeios, complementados por paisagens únicas, as quais podem ser disfrutadas, por exemplo, através dos diversos miradouros existentes em diferentes locais da cidade.

Também o seu património histórico, a beleza da frente ribeirinha, os seus parques, jardins, cafés e esplanadas, associados à gastronomia, hotéis de luxo, SPAs e centros comerciais tornam Lisboa uma cidade de referência e destino turístico de eleição.

Prices and Earnings (2012)

Lisboa revela-se competitiva ao nível do custo de mão-de-obra, com um nível de salário bruto da ordem dos 40,0 (NY=100), valores que em Dublin se cifram em 77,7, Lyon em 64,2, Madrid 57,0 e Barcelona 59,6.

European Cities Monitor 2011

Lisboa ocupa posição de destaque em parâmetros como:

  • Disponibilidade de espaço para escritórios;
  • Preço por m2 de área de escritórios;
  • Custo de mão-de-obra.

2012 Urbanism Awards

Lisboa foi eleita cidade europeia do ano 2012, distinção que se baseia em critérios como governância, sucesso e viabilidade comercial, sustentabilidade social e ambiental e funcionalidade.

The Global Competitiveness Report 2013-2014

Portugal ocupa, de entre os 148 países à escala mundial considerados neste Ranking, a 51.ª posição, tendo descido duas posições face ao ano transacto. Quanto aos factores que contribuíram para esta classificação, assumem particular relevo os seguintes:

• Qualidade das Infraestruturas: 22.º lugar global

• Educação e Saúde 27.º lugar global (26.ª posição na educação de nível superior)

• Aptidão Tecnológica: 27.ª posição global

• Inovação: 29.ª posição global

Global Benchmark Report 2014

Portugal ocupa, em 2014, o 23.º lugar em relação ao Índice de Competitividade no contexto dos países da OCDE.

Ainda no âmbito dos países que constituem a OCDE, Portugal assume ainda posições de relevo particularmente no que respeita aos seguintes aspectos:

4.º lugar no que respeita à existência de condições favoráveis ao empreendedorismo; 

6.º lugar na capacidade de criação de empresas-gazela (empresas com menos de 5 anos, com um crescimento médio anual superior a 20% durante pelo menos três anos consecutivos e um mínimo de 10 funcionários);

6.º lugar no que concerne à inflação (média 2009-2013);

 

7.º lugar no que respeita à abertura cultural.

Corruption Perception Index 2013

Num universo de 177 países analisados, a nível mundial, e no âmbito do indicador no Nível de Corrupção no Sector Público, Portugal ocupa a 33.ª posição.

A Dinamarca e a Nova Zelândia ocupam, ex-aequo, o 1.º lugar; a Espanha ocupa a 40.ª posição; A Hungria situa-se na 47.ª posição e a Itália ocupa o 69.º lugar.                 

Doing Business 2014

Portugal ocupa a 31.ª posição em relação à facilidade de iniciar um negócio (de entre um universo de 189 países analisados

Em 2013 verificou-se um aumento de 17% em relação ao número de empresas registadas em Portugal, a par com a criação de 7 postos de trabalho por cada 100.000 habitantes. Este crescimento ficou a dever-se à multiplicação de locais onde é possível constituir a designada “empresa na hora”, mas também à disponibilização on-line de uma plataforma na qual muitos dos procedimentos ligados à criação de empresas podem ser realizados.

Registou-se também um esforço no sentido da simplificação dos procedimentos pós-registo das empresas (no que respeita ao Fisco, à Segurança Social e ao Licenciamento).

Pelas razões apontadas, Portugal assume um lugar de destaque no universo dos países analisados e concretamente no que respeita à facilidade e rapidez na criação de uma empresa/negócio.

No que diz respeito à facilidade no registo de propriedade e na obtenção de licenças de construção, Portugal ocupa igualmente um lugar de relevo entre os países considerados, apresentando uma evolução muito favorável entre 2009 e 2013.

Por fim, e em relação à legislação laboral, Portugal eliminou as regras da prioridade antes aplicável aos casos de despedimentos por extinção de posto de trabalho ou layoff.