Espaço Lisboa na Futurália divulga programas municipais

03, Abril 2019
Os folhetos em versão papel foram substituídos por QR Codes, no stand há animação musical e várias demonstrações. "Uma cidade boa para estudar" é a mensagem principal.

Milhares de jovens visitam por estes dias a Futurália 2019 e o espaço Lisboa não passa despercebido. “Uma cidade para estudar” é o lema da participação lisboeta no certame, que foi visitado no dia da abertura pelo vereador Carlos Manuel Castro.

No palco cinco “Marretas” montados em pequenos robots abanam-se freneticamente ao som da música dos Queen e despertam a curiosidade de quem ali passa, num grande ecrã interactivo é possível conhecer é possível conhecer os equipamentos de ensino na capital.

Não há folhetos a distribuir, marca de tempos em que sustentabilidade é palavra de ordem e as novas tecnologias são meio privilegiado para a partilha da informação. Conhecer programas ou equipamentos como o FabLab, as bibliotecas municipais, o Lisboa na Boa, o Lisboa Robotics ou a rede de voluntariado, está à distância de um simples QR Code.

À volta são divulgados outros programas, com destaque, uma vez mais, para a área tecnológica. É o caso das escolas António Damásio e da Passos Manuel, registo para o facto de que a interessante banda de marretas é uma produção de alunos da D. Dinis.

Mas nem tudo é informática, robótica ou electrónica. Há quem se preocupe também, e muito, pelo ambiente. Isso mesmo afirmam os alunos da escola Padre António Vieira quando explicam, tim tim por tim tim, o projeto Biografia Verde: EcoPARQUE e Trilho das BioDESCOBERTAS.

Quem por ali passa não fica indiferente, pode até tirar uma fotografia e a mensagem fica transmitida: Lisboa é uma cidade boa para estudar.