Cultura e Lazer, Desporto

160 anos da ANL fecham com desfile náutico

30, Abril 2017
  • Desfile Náutico por ocasião dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa
    Desfile Náutico por ocasião dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa

O ciclo de comemorações dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa, iniciado há precisamente um ano, terminou no dia 30 de abril (dia do 161º aniversário) com um grande desfile náutico no Tejo, envolvendo embarcações de guerra, recreativas e mercantes, e a que se associaram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina. No encerramento do dia, o Chefe de Estado outorgou à ANL a condecoração da Ordem do Infante D. Henrique.

Um majestoso desfile náutico, envolvendo três centenas de embarcações, algumas vistosamente engalanadas, trouxe movimento e colorido às águas do Tejo. Entre estas embarcações destacavam-se o navio escola Creola, o navio patrulha oceânico Figueira da Foz e a canoa Esperança, que ostenta as insígnias do Município de Lisboa.

Numa das embarcações integrando o desfile seguiam os presidentes da República e da Câmara Municipal de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa e Fernando Medina, os secretários de Estado da Juventude e do Desporto e da Defesa Nacional, João Paulo rebelo e Marcos Perestrello, os chefes de Estado Maior da Armada e da Força Aérea, almirante António da Silva Ribeiro e general piloto-aviador Manuel Teixeira Rolo, a presidente da Administração do Porto de Lisboa, Lídia Sequeira, os vereadores Jorge Máximo, João Gonçalves Pereira e Teresa Leal Coelho - esta também deputada e candidata à presidência da CML pelo PSD, tal como Assunção Cristas, pelo CDS/PP - para além do presidente do Comité Olímpico, José Manuel Constantino, de presidentes de Juntas de Freguesia e, naturalmente, dos corpos sociais da Associação Naval de Lisboa.

No final do desfile, entre a Doca de Santo Amaro e a Doca de Belém, as entidades dirigiram-se à sede da ANL, para a assinatura do Livro de Honra do prestigiado clube, fundado em 1856, e que mantém as modalidades de remo, canoagem, vela e motonáutica.

Na ocasião, o presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação Naval de Lisboa, Pedro Paes de Vasconcelos, congratulou-se pelo facto de tantas individualidades com responsabilidades no país e na cidade haverem querido "partilhar connosco a experiência dos marinheiros que estão dentro de água". Depois de um "agradecimento especial" à Câmara Municipal de Lisboa "que mobilizou a população para este evento" e por "todo o apoio que tem concedido ao clube", incluindo aos eventos que ambas as instituições organizam sob a candidatura de Lisboa a Capital Europeia do desporto, Paes de Vasconcelos anunciou a outorga ao Presidente da República do diploma de honra de Presidente Honorário da ANL, a quem o mesmo foi entregue pelas mãos do presidente do Conselho Geral da ANL, comodoro André Bettencourt.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, felicitou o clube pela "longevidade de que poucos se podem orgulhar", e que se explica pela "ligação afetiva que os portugueses têm com o mar". Para o autarca, "devolver o Tejo e o mar à cidade tem sido uma opção estratégica municipal perseguida ao longo de vários mandatos, de que são exemplo as obras recentemente concluídas, com o objetivo de "estreitar a ligação ao Tejo, para usufruto desportivo, recreacional e educacional pelos lisboetas". Fernando Medina agradeceu também a todos os clubes navais a parceria com a autarquia que possibilita a quase um milhar de alunos do 2º e 3º ciclos participarem no programa extra-curricular "Clubes de Mar", um programa que vem complementar um outro anterior, que generalizou a prática da natação junto dos alunos do 1º ciclo.

O Presidente da República encerrou a cerimónia recordando o longínquo ano de 1856, quando D. Pedro V criou a Real Associação Naval de Lisboa, para recreio e lazer, no que considerou ser uma "visão avançada para o tempo". Considerando-se "republicano convicto", não deixou de sugerir que o clube possa vir a adaptar a sua designação original. Lembrando que todos os monarcas e presidentes da República foram presidentes honorários da ANL - como agora também Marcelo Rebelo de Sousa passou a ser - o Chefe de Estado evocou o ano de 1926, no 70º aniversário da Associação Naval de Lisboa, quando o último presidente da primeira República, Bernardino Machado, galardoou o clube (condecoração que só seria entregue já no período da ditadura militar): "É altura da República democrática galardoar a ANL; o Presidente da República decidiu condecorá-la com a Ordem do Infante D. Henrique", anunciou Marcelo rebelo de Sousa que, de pronto, entregou a distinção aos dirigentes da Associação Naval de Lisboa.

Array
Mais notícias sobre:
Cultura e Lazer, Desporto