Mobilidade

2.ª fila não é opção

08, Maio 2018
Campanha de combate ao estacionamento em 2.ª fila junta Câmara de Lisboa, EMEL, ACP e Associações Setoriais

A Câmara de Lisboa, a EMEL, a Polícia Municipal e a CARRIS iniciaram uma campanha de sensibilização e fiscalização de estacionamento indevido em segunda fila, uma das principais causas de congestionamento de trânsito, sobretudo nas horas de ponta da manhã e da tarde, provocando muitos quilómetros de engarrafamento.

Além de impactos ambientais negativos, esta situação provoca atrasos no abastecimento da cidade, bem como nos serviços. O estacionamento abusivo em segunda fila é também uma das causas de acidente e atropelamento, com particular impacto na tomada e largada de passageiros junto às escolas.

A campanha “2ª fila não é opção”, desenvolvida entre a CML e a EMEL, é dirigida aos condutores e tem três mensagens distintas focadas nos profissionais da cadeia de distribuição (cargas e descargas), pais (tomada e largada de passageiros) e vizinhos.

Ao longo das próximas semanas, serão distribuídos folhetos numa campanha porta-a-porta dirigida a comerciantes. Foi também criada uma página online (2filanaoeopcao.pt) onde será possível visualizar os quase 1 500 lugares para carga e descargas em Lisboa e onde os profissionais poderão indicar novas necessidades ou sugerir alterações de localização, que serão posteriormente analisados pela autarquia. Será ainda feita uma sensibilização para que as cargas e descargas sejam feitas tão cedo quanto possível, de preferência antes da hora de ponta da manhã, altura em que o impacto destas atividades causam menor transtorno na vida das centenas de milhares de pessoas que vivem a cidade durante o dia.

Mupis, rádio, multibanco e redes sociais são outros dos suportes da campanha que se pretende colaborativa, através da partilha do hashtag #2filanaoeopcao.

Em simultâneo, a fiscalização vai ser reforçada nas artérias onde se registam hoje maior incidência de segundas filas, nomeadamente: Rua do Comércio, Praça do Comércio, Rossio / Baixa, Mercado da Ribeira / 24 de Julho, Av. 5 de Outubro, Av. Duque de Ávila, Rua Braancamp, Rua Castilho, Av. Pedro Álvares Cabral, Rua Tomás Ribeiro, Largo Camões, Príncipe Real, Cais do Sodré, Av. Infante D. Henrique, Av. Defensores de Chaves, Arco do Cego, Av. Roma, Av. João XXI, Av. da Igreja, Rua de Arroios, Rua dos Bacalhoeiros, Rua de São Paulo (protecção CARRIS), Av. Almirante Reis, Av. de Berlim e Av. Casal Ribeiro.
Existirá também maior atenção à utilização indevida dos lugares de cargas e descargas de modo a que estes se encontrem disponíveis para o fim a que se destinam.

A fiscalização dos percursos da Carris continuará também a ser alvo de especial atenção ao longo das próximas semanas. O estacionamento indevido foi responsável em 2017 por 937 horas de paragem da CARRIS, tendo-se porém registado nos últimos meses significativas melhorias, em particular nos corredores de elétricos, sinal de uma maior preocupação de todos com a ocupação indevida dessas vias.

Esta ação conta ainda com a participação do ACP – Automóvel Clube de Portugal e as associações de comércio, hotelaria, restauração e serviços e também de logística e distribuição, entre elas AHRESP, UACS – União de Associações de Comércio e Serviços, APIAM (Associação Portuguesa dos Industriais de Águas Minerais Naturais e de Nascentes), PROBEB (Associação Portuguesa de Bebidas Refrescantes Não Alcoólicas), AHP (Associação da Hotelaria de Portugal), CERVEJEIROS DE PORTUGAL e APED (Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição), num ato que demonstra empenho de todos na melhoria das condições de fluidez da cidade de Lisboa.

Mais notícias sobre:
Mobilidade