Habitar

A cidade do Futuro

18, Setembro 2019
Lisboa apresentou hoje em debate os desafios que tem para a Habitação na cidade do futuro.
  • Debate sobre a Cidade do Futuro
    Debate sobre a Cidade do Futuro
  • Debate sobre a Cidade do Futuro
    Debate sobre a Cidade do Futuro
  • Debate sobre a Cidade do Futuro
    Debate sobre a Cidade do Futuro

Um recente estudo apresentado no Teatro Capitólio em Lisboa, pela Century 21,  no II Observatório do Mercado da Habitação em Portugal, sobre “ Os desafios dos jovens no acesso à Habitação” revela que: 78,1% dos jovens portugueses não vivem onde gostariam; mais de 62% dos jovens, entre os 18 e os 34 anos, têm rendimentos inferiores a 1000 euros mensais; dois em cada dez, entre os 30 e 34 anos, vivem com os pais; ambicionam uma primeira casa com 82m2, numa zona periférica onde já habitam e no futuro, 87,9% querem casa própria.

 

A cidade do futuro

E foi a pensar no futuro que a vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local da Câmara Municipal de Lisboa, Paula Marques, foi convidada a debater, num frente a frente com o vereador do Urbanismo da Câmara Municipal do Porto, Pedro Baganha “ A cidade do Futuro”.

Quando André Veríssimo, diretor do Jornal de Negócios, moderador do debate, questionou os intervenientes sobre como fixar os jovens nas cidades, as respostas foram muito semelhantes: Arrendamentos acessíveis, estabilidade nos contratos de arrendamento.

Para Paula Marques  “um parque habitacional público, com rendas adequadas às famílias de classe média e consciencializar o setor privado para se aliar ao setor público na construção imobiliária, mais casas sustentáveis, com espaços comuns, lavandaria comunitária, comércio de proximidade, de forma a manter a população nos seus locais e estabelecer laços comunitários, podem ser soluções e já são propostas que a autarquia tem em curso. Em novembro serão atribuídas 120 casas, no Programa Renda Acessível, mas o objetivo é atingir 6000 fogos”.

Mais notícias sobre:
Habitar