Mobilidade, Município

Aeroporto de Lisboa prepara-se para receber mais 50 milhões de passageiros

15, Fevereiro 2017
A ANA- Aeroportos de Portugal vai reforçar o investimento no Aeroporto Humberto Delgado, de forma a receber mais de 50 milhões de passageiros por ano. O anúncio foi feito no dia da assinatura do memorando de entendimento entre o Governo e Ana que prevê estudar "aprofundadamente" a solução de um aeroporto complementar no Montijo para aumentar a capacidade de Lisboa.“Uma solução que vem em boa hora para o futuro da cidade e da Região", disse o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa no final da cerimónia.

O memorando de entendimento entre a ANA – Aeroportos de Portugal e o Governo é assinado depois do aeroporto de Lisboa ter ultrapassado os 22 milhões de passageiros em 2016, representando um acréscimo de 12% num ano de recordes de tráfego em todos os aeroportos portugueses.

Para Fernando Medina esta é uma decisão que "só peca por tardia e que vem dar resposta à grande procura do turismo na cidade de Lisboa" e que, atualmente representa uma receita de 9 mil milhões de euros.

O presidente da CML considera que o governo tomou a melhor opção uma vez que " a solução encontrada protege os contribuintes, já que não prevê recurso a verbas públicas mas é também aquela cujo valor de investimento é mais baixo não provocando  um aumento das taxas aeroportuárias, não pondo, desta forma, em causa a competitividade de Lisboa".

A assinatura do memorando de entendimento contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa, do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, do presidente da Confederação do Turismo Português, Francisco Calheiros, do presidente da VINCI Airports, Nicolas Notebaert, e do presidente da ANA Aeroportos de Portugal, Jorge Ponce de Leão

António Costa avançou que uma decisão definitiva sobre a localização do futuro aeroporto no Montijo está condicionada ao relatório sobre o impacto da migração de aves naquela zona, o que deverá concluído até ao final do ano. No entanto o primeiro-ministro garante que esta a solução mais compatível com as condições económicas e financeiras do país e aquela que apresenta maior viabilidade. Costa promete trabalhar em conjunto, quer com os municípios de Lisboa e do Montijo quer com todos os da àrea metropolitana de Lisboa de Lisboa e península de Setúbal, concluindo que o reforço da capacidade do aeroporto de Lisboa e da extensão ao Montijo é " fundamental para a internacionalização da economia portuguesa".

Uma das hipóteses desde já equacionada pelo governo é a ligação ferroviária "ligeira" na Ponte Vasco da Gama a Lisboa, de forma a garantir um rápido acesso à capital. Para já a aposta do executivo passa por "privilegiar" o transporte fluvial.

Está previsto que o aeroporto Humberto Delgado prossiga o seu plano de expansão e modernização de forma a potencia a sua capacidade. Será aumentada a capacidade de estacionamento e circulação de aeronaves no solo e melhoradas as estruturas de acolhimento e transferência de passageiros.

As obras deverão ter início em 2019, prevendo-se que o novo aeroporto do Montijo esteja operacional em 2022. A ANA já garantiu que as obras em Lisboa, não deverão criar constrangimentos à operação normal do aeroporto.

Array
Mais notícias sobre:
Mobilidade, Município