Ambiente, Município

Aliança internacional prepara descarbonização dos transportes

25, Maio 2018
O vereador da Mobilidade e Segurança, Miguel Gaspar, participou esta quinta feira no lançamento da Aliança de Descarbonização dos Transportes (TDA), que junta países, cidades e empresas num compromisso para reduzir a zero a emissão de carbono no sector dos transportes até 2050.

Foi lançada na cidade de Leipzig, Alemanha, em 24 de maio, a Aliança de Descarbonização dos Transportes (Transport Decarbonisation Alliance - TDA), uma plataforma que reúne os principais países, cidades e empresas num esforço para acelerar a descarbonização transportes. Esta iniciativa “reforça o empenho de Lisboa na descarbonização dos transportes e a importância do alinhamento entre governos, cidades e empresas neste desígnio ” afirma o vereador da Mobilidade e Segurança, Miguel Gaspar, que representou Lisboa no evento. 

A aliança, que será presidida, durante o primeiro ano, pelo Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente José Mendes, é constituída neste arranque por seis países (Costa Rica, Finlândia, França, Luxemburgo, Holanda e Portugal), cinco cidades (Roterdão, Lisboa, Porto, Gaia e Matosinhos) e seis empresas (Alstom, CEiiA, EDP, ITAIPU Binacional, Michelin e PTV), pretende dar cumprimento ao Acordo de Paris sobre Mudança Climática e, nesse sentido, criar condições para a redução total das emissões de carbono nos transportes até 2050.

Na mira estão todos os modos de transporte de passageiros e carga, incluindo o transporte terrestre, aéreo e marítimo. Trata-se de uma iniciativa pioneira, que junta pela primeira vez os principais atores do sector - países, cidades e empresas – num compromisso de trabalho conjunto para acelerar a transformação do setor de transportes.

A participação de Lisboa na TDA foi aprovada por unanimidade pelo órgão executivo do município e pela assembleia Municipal. Miguel Gaspar considera que “A unanimidade em torno deste objetivo ambiental significa um compromisso alargado de Lisboa na descarbonização dos transportes. As cidades estão cada vez mais expostas às consequências ambientais do sector dos transportes e por isso é necessário repensar a forma como nos deslocamos e como desenvolvemos actividades económicas. O município tem dado passos seguros na promoção dos modos ativos, e principalmente na aposta e no investimento no Transporte Público, sendo visível uma crescente responsabilização dos agentes económicos em torno da mobilidade na cidade.”

Espera-se que aos 16 membros iniciais da TDA se juntem mais países, cidades e empresas de diferentes partes do mundo nos próximos meses e anos.

Mais notícias sobre:
Ambiente, Município