Arroios, Cultura e Lazer, Santa Maria Maior

Ano Novo Chinês

21, Janeiro 2017
  • Ano Novo Chinês
    Ano Novo Chinês

As celebrações do Ano Novo Chinês 2017 arrancaram em Lisboa, no dia 21 de janeiro, com a realização de um desfile na Avenida Almirante Reis / Rua da Palma que culminou num espetáculo na Praça do Martim Moniz, local onde também está instalada uma feira tradicional chinesa.

O evento foi organizado pela Embaixada da República Popular da China em Portugal e pela Câmara Municipal de Lisboa, com produção das Associações da Comunidade Chinesa e o apoio de diversas instituições culturais chinesas (nomeadamente, de Macau) e portuguesas e das Juntas de Freguesia de Santa Maria Maior e de Arroios, para além do patrocínio do Haitong Bank.

Depois do desfile, que contou com centenas de participantes (incluindo os dos grupos de dança do dragão, musicais e de teatro, trajando tradicionais costumes chineses) e trouxe à Avenida milhares de pessoas, e antes do início do espetáculo no Martim Moniz, usaram da palavra algumas individualidades que não quiseram deixar de assinalar a importância que têm em Lisboa as celebrações do Ano Novo Lunar - este ano sob o signo do Galo de Fogo.

Entre a assistência destacavam-se o vice-presidente da Assembleia da República, Jorge Lacão, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, o encarregado de negócios e o conselheiro cultural da Embaixada da república Popular da China, Shi Jianping, o presidente das Associação de Comerciantes e Industriais Luso-chineses, Choi Man Hin, o antigo governador de Macau, general Rocha Vieira, os presidentes das Juntas de Freguesia de Santa Maria Maior e Arroios, Miguel Coelho e Margarida Martins, entre muitos outros.

Na ocasião, o edil lisboeta, Fernando Medina, considerou esta manifestação cultural um exemplo de Lisboa enquanto "cidade tolerante, cosmopolita, acolhedora e aberta à diversidade cultural, religiosa e étnica". "Num momento em que, na Europa e no Mundo, assistimos a situações perturbadoras, quero garantir aqui que a comunidade chinesa em Lisboa - pacífica, trabalhadora e integrada, contribuindo para a riqueza da cidade - é bem-vinda, como bem-vindos serão todos os que quiserem aqui vir investir, trabalhar e viver", sintetizou Fernando Medina.

Depois aconteceu o espetáculo, quer com as atuações de grupos vindos da China (como os da Ópera de Wu de Zhejiang ou o de Dança de Pui Ching - Macau) ou de diversas associações e organizações chinesas em Portugal, quer de artistas e grupos portugueses, como a fadista Cristina Nóbrega ou os grupos etnográficos do Minho e da Figueira da Foz, entre outros. Paralelamente, a Praça do Martim Moniz acolhe durante o fim de semana uma feira tradicional chinesa, com destaque para a exposição do património da Região Autónoma de Hui de Ningxia (tecelagem de cânhamo, escultura de argila, recorte de papel, etc.).


Mais notícias sobre:
Arroios, Cultura e Lazer, Santa Maria Maior