Intervenção social, Município

Bibliotecas de Marvila e Galveias acolhem Café Memória

21, Setembro 2017
O Café Memória é um local de encontro destinado a pessoas com problemas de memória ou demência, seus familiares e cuidadores, que passa agora a contar com cinco espaços em Lisboa.

João Afonso, vereador dos Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, assinou em nome do município um protocolo com representantes da Sonae Sierra, Associação Alzheimer Portugal  e Santa Casa da Misericórdia, um protocolo para a criação de dois novos Cafés Memória na cidade, a funcionar nas bibliotecas de Marvila e das Galveias. A cerimónia decorreu em 21 de setembro nos Paços do Concelho.

Na Biblioteca Palácio Galveias as sessões irão decorrer no segundo sábado de cada mês, das 10h00 às 12h00; em Marvila realizam-se no quarto sábado de cada mês, das 10h00 às 12h00. Destinam-se a pessoas com problemas de memória ou demência, seus familiares e cuidadores, a entrada é livre e sem necessidade de inscrição prévia.

João Afonso sublinhou que, no âmbito do Plano de Ação dos Direitos Sociais da autarquia, foi apresentado recentemente a Estratégia de Cidade para as Pessoas Idosas. “Cuidar não tem idade” é o lema da intervenção junto desta faixa, diz, que representa cerca de um quarto da população, algo como 132 mil pessoas.

“Esta estratégia começou por identificar as áreas onde surgem mais queixas: questões de mobilidade e saúde, especificamente a visão e a memória” Acolher o Café Memória em espaços municipais é por isso uma decisão natural, diz, adiantando que se enquadra “nos programas que desenvolvemos para apoiar os cuidadores informais, entre outros relacionados com casos de solidão ou dependência”.

Castro Caldas, médico neurologista e diretor do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica tinha antes afirmado que os problemas da demência e do Alzheimher são antes de mais problemas sociais, opinião que João Afonso corrobora. O vereador deixa de resto no ar a ideia de que estes dois espaços sejam apenas os primeiros de outros que futuramente poderão funcionar em instalações municipais. 

A expansão territorial do projeto na cidade de Lisboa insere-se na estratégia de crescimento da iniciativa, numa lógica de proximidade, com o objetivo de levar esta resposta social a um número cada vez maior de pessoas com problemas de memória ou demência, seus familiares e cuidadores. Com este acordo, o projeto criado em 2013 passa agora a contar com cinco Cafés Memória em zonas distintas da cidade: Colombo, Chiado, Castilho, Campo Pequeno e Marvila.

Catarina Alvarez, coordenadora do projeto apresentou os seus objetivos, salientando que até à data já foram realizadas 397 sessões de Café Memória, com perto de sete mil participações, maioritariamente de cuidadores e familiares de pessoas com demência. Foram formados cerca de 400 voluntários, que já dedicaram mais de dez mil horas ao projeto. 

Com a celebração desta parceria, esta rede de apoio passa a contar com 16 Cafés Memória, situados em diferentes regiões do país: Cascais, Porto, Viana do Castelo, Oeiras, Viseu, Braga, Guimarães, Madeira, Barcelos, Almada, Leiria e cinco espaços na cidade de Lisboa.

Intervieram ainda na cerimónia Rita Paiva Chaves, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, José Carreira, presidente da Associação Alzheimer Portugal, e Elsa Monteiro, da Sonae Sierra. 

Mais notícias sobre:
Intervenção social, Município