Cultura e Lazer, Município

Câmara de Lisboa lamenta profundamente a morte da actriz Laura Soveral

12, Julho 2018

O Município de Lisboa lamenta profundamente a morte da actriz Laura Soveral, falecida esta quinta-feira, 12 de julho, aos 85 anos, e presta a sua homenagem, expressando à família e amigos as mais sentidas condolências.

Nascida em Angola em 1933, Laura Soveral iniciou a carreira de atriz em Lisboa, tendo trabalhado em teatro, cinema e televisão a partir de 1960. Foi distinguida como “Melhor Atriz de Cinema” em 1968 pelo então Secretariado Nacional de Informação, e no mesmo ano recebeu o Prémio Bordalo, da Casa da Imprensa. No teatro, destacou-se em peças como O Processo de Kafka (1970), com o Grupo de Ação Teatral e encenação de Artur Ramos, e Depois da Queda, de Arthur Miller, com o mesmo encenador.

Em 1972, participou em Uma Abelha na Chuva, do realizador Fernando Lopes, considerada uma das obras marcantes do Cinema Novo.

Depois do 25 de abril, viveu no Brasil, onde chegou a participar em telenovelas da TV Globo. De regresso a Portugal, trabalhou com companhias como o Teatro da Cornucópia, o Teatro Experimental de Cascais, o Novo Grupo/Teatro Aberto e A Barraca.

No cinema, participou em filmes de realizadores como Manoel de Oliveira, João Botelho e José Álvaro Morais, e, já em 2012, entrou em Tabu, o filme de Miguel Gomes premiado na edição desse ano do Festival Internacional de Cinema de Berlim. Nos últimos anos, trabalhou sobretudo em televisão.

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu a actriz em 2013, com o Prémio Sophia de Carreira, e, no ano passado, com o Prémio Bárbara Virgínia. Até hoje, Laura Soveral foi a única artista distinguida com ambos os prémios. 

Mais notícias sobre:
Cultura e Lazer, Município