Intervenção social

Cidades pela Vida - Cidades Contra a Pena de Morte

30, Novembro 2016
Lisboa associou-se à iniciativa das cidades contra a pena de morte assinalando a data com uma ação conjunta entre a Câmara Municipal de Lisboa através do pelouro dos Direitos Sociais, a junta de freguesia de Santa Maria Maior, a Comunidade de Santo Egídio e a a Amnistia Internacional.

No dia 30 de novembro, cidades do mundo inteiro assinalam um acender de luzes simbólico como forma de lembrar que a pena de morte constitui uma violação grave dos direitos humanos e da vida humana enquanto valor absoluto. A pena de morte é ainda praticada em 52 países, entre os quais os Estados Unidos, e é um dos temas em agenda numa próxima reunião das Nações Unidas. 

Na ocasião João Afonso lembrou que Lisboa pertence à rede de 2000 cidades que nesta data se juntam nesta iniciativa, dizendo que no entanto, são ainda poucas as cidades associadas a esta ação que visa condenar a pena de morte como ato indigno da condição humana. 

O discurso proferido com as luzes da Praça do Comércio e do Arco da Rua Augusta apagadas deu lugar a um espetáculo pelo grupo Maizei, um grupo que junta o jazz às raízes musicais populares nacionais e em particular às sonoridades alentejanas, enquanto a Praça e o Arco da Rua Augusta ficavam gradualmente iluminados pela iluminação pública ganhando brilho e cor.