Areeiro, Educação

Debate “Todas as famílias são famílias. Nem todas as famílias são iguais”

15, Maio 2018
No âmbito do Dia Internacional das Famílias e do Dia Internacional da luta contra a Homofobia e a Transfobia, realizou-se no dia 14 de maio, um encontro no auditório da Escola Básica e Secundária D. Filipa de Lencastre, que contou com a presença do vereador com o Pelouro da Educação, Ricardo Robles.
  • Debate “Todas as famílias são famílias. Nem todas as famílias são iguais”
    Debate “Todas as famílias são famílias. Nem todas as famílias são iguais”

“Todas as famílias são famílias. Nem todas as famílias são iguais” foi o ponto de partida para a conversa onde se falou sobre a importância dos livros na abordagem destas temáticas com as crianças e jovens, numa iniciativa promovida pela  Rede de Bibliotecas Escolares, com o objetivo de chamar a atenção para os valores da família e do respeito pelo outro.

No início do debate, Ricardo Robles referiu a importância em discutir estas temáticas nas escolas pois “sabemos que é na escola que aprendemos a conhecer o mundo, a relacionarmo-nos uns com os outros, a conhecer a diversidade, e se as escolas são os templos do conhecimento que se abrem ao mundo, sabemos que o coração desses templos são as bibliotecas e dos professores bibliotecários.” 

O vereador responsável pelo pelouro da Educação reforçou a ideia de que as diferenças devem ser valorizadas. “Deve ser dada visibilidade na medida em que somos todos iguais, devemos ser todos tratados da mesma maneira porque às vezes parece bastante óbvio mas, sabemos que não em Portugal mas em países tão próximos de nós como o Brasil, por exemplo, ainda se é perseguido por se gostar de uma pessoa do mesmo sexo, em se é preso, se é torturado, se é assassinado”, lembrou deste modo a vereadora do Rio de Janeiro que foi assassinada, recentemente, porque defendia a igualdade entre todos.

Durante a conversa, os convidados da mesa: Manuela Ferreira da Associação AMPLOS, o escritor Ricardo Batista, Rui Pereira da Zero em Comportamento – Associação Cultural e uma professora da escola falaram com os alunos e responderam a questões sobre a  luta contra homofobia, o respeito pelo outro e os valores da família.

No final do debate foram oferecidos aos professores bibliotecários que estiverem presentes, um exemplar da obra “O Livro do Pedro” da autoria de Manuela Bacelar. Ricardo Robles lançou a todos os professores que lecionam em escolas de 1º ciclo, o desafio de trabalharem este livro com as crianças nas escolas ao longo desta semana.

Esteve ainda patente uma pequena exposição das ilustrações da obra com referências chave às temáticas abordadas.

Mais notícias sobre:
Areeiro, Educação