Investir

Feira Ilimitada empreende em Lisboa

15, Abril 2016
Decorreu no Centro Colombo, a Feira Ilimitada Lisboa, durante a qual foram apresentadas miniempresas criadas em sala de aula.
  • Feira Ilimitada empreende em Lisboa
    Feira Ilimitada empreende em Lisboa

Cerca de 250 jovens estudantes do ensino secundário e profissional participaram no dia 15 de abril, no Centro Colombo, na Feira Ilimitada Lisboa, que teve como principal objetivo apresentar miniempresas criadas em sala de aula.

Promovida pela Junior Achievement (JA Portugal), uma associação sem fins lucrativos empenhada em levar às escolas programas que desenvolvem nas crianças e jovens o gosto pelo empreendedorismo, a Feira Ilimitada de Lisboa é um certame que pretende dar a conhecer projetos criados por jovens empreendedores do ensino secundário, profissional e progressão de estudos, no âmbito do programa A Empresa. Durante o ano letivo os alunos fazem brainstorming, ajudados pelos professores e voluntários de grandes empresas, para chegarem a um conceito inovador. Pesquisam e informam-se sobre o mercado, desenvolvem um plano de negócios, procuram parceiros e apresentam-no a potenciais investidores, por forma a desenvolverem um plano comunicacional.

A Praça Central do Centro Colombo estava ao rubro. Cinquenta miniempresas, 250 alunos, provenientes dos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém, de mais onze concelhos (Arruda dos Vinhos, Almada, Amadora, Lisboa, Loures, Montijo, Palmela, Santarém, Torres Vedras e Vila Franca de Xira) professores, formadores e voluntários mostravam, com grande euforia os seus projetos inovadores.

João Silva, 17 anos, com Rúben Sousa, Rúben Patrício, Marco Cunha da ATEC-Academia de Formação e Escola Profissional de Palmela, desenvolveram na  sua empresa, Dynamic Ride, um dispositivo de segurança o “go Safely” para utilizar em bicicletas ou motos que funciona como um retrovisor tecnológico.” É um pequeno ecrã que nos permite ver o que se passa atrás de nós e ao nosso lado, dá coordenadas onde nos encontramos em caso de acidente. Pode custar 80 euros mas se a pessoa quiser adaptar ao seu telemóvel a aplicação pode ficar só em 20 euros”. Diz-nos sorridente e confiante no êxito do seu projeto.

Da Escola Padre António Vieira, em Lisboa, surge a “Zori Art” uma pequena empresa que trabalha em chinelos de praia, “havaianas”. Imma é uma das alunas e falou-nos sobre o seu projeto. “ Fazemos chinelos personalizados, e também substituímos as tiras de borracha, quando se partem. Uma tira simples pode custar três euros e uns chinelos personalizados podem custar entre dez a quinze euros. Temos 80 modelos que podem ser vistos no nosso facebook. Estamos a pensar envolver reclusas neste projeto, porque quando houver grandes encomendas não temos possibilidade de dar resposta e também é uma maneira de ajudar estas mulheres”.

“ Nesta competição estão reunidos alguns dos mais promissores empreendedores da próxima geração.” Afirma confiante Erica Nascimento, CEO da Junior Achievement Portugal.

Mais notícias sobre:
Investir