Investir

Feira Popular seduz investidores

21, Fevereiro 2017
Apresentar o projecto da Feira Popular de forma a captar investimentos foi o objetivo da sessão promovida hoje pela CML tendo em vista o lançamento, ainda este ano, do concurso público internacional para a concepção, financiamento, construção, exploração e manutenção da Nova Feira Popular de Lisboa, cujo investimento previsto ronda 70 milhões de euros.No Capitólio, Fernando Medina salientou a "importância da mobilização dos agentes económicos para devolver finalmente a Feira Popular aos lisboetas".

Numa sessão pública aberta aos cerca de 150 agentes económicos e investidores de várias nacionalidades que se inscreveram ao longo do último mês, Fernando Medina apresentou uma visão de crescimento da cidade, revelando os principais objetivos do projecto da nova Feira Popular, lançando um desafio" é o maior projeto da cidade das últimas décadas e queremos construi-lo convosco".

A Feira Popular de Lisboa foi criada em 1943 passou por Palhavã e Entrecampos onde fechou em 2003.

No final de 2015 o Presidente da CML anunciou que a feira ia voltar inserida num parque urbano de 20 hectares em Carnide, onde já são visíveis alguns investimentos feitos pela autarquia ao longo dos últimos meses, nomeadamente ao nível de terrenos, acessibilidade e espaços verdes.

Aos agentes económicos, o Presidente da CML lembrou que se trata do concretizar de um dos "projeto mais desejados pelos lisboetas", assumindo o compromisso de total garantia de parceria e transparência por parte da autarquia na construção de modelo aberto.

De acordo com um estudo preliminar encomendando pela CML a Feira Popular deverá representar um investimento de cerca de 70 milhões de euros.

Medina garantiu que o concurso público internacional irá ser lançando ainda durante 2017.

Para as atracções vai a maior fatia deste bolo, que representa um valor na ordem dos 40 milhões de euros, a decoração cerca de 15 milhões, construção de edifícios de restauração e outros espaços comerciais cerca de 8 milhões e o 'design' e engenharia com 3 milhões totalizam as restantes parcelas.

O estudo da Consultora Estratégica Mckinsey avança ainda que o número de visitantes esperados no primeiro ano de operação seria de 2,5 milhões, passando para 3,1 milhões de visitantes após 20 anos, considerando 1% de crescimento anual.

 O bilhete de entrada proposto seria 2,5 euros para acesso ao parque urbano e outro com o valor de 19,5 euros contemplaria todas as atrações, incluindo montanhas russas e outros equipamentos mais radicais. Opções como a compra de atrações individualmente estão, de acordo com o estudo, também previstas.  

Roadshow Feira Popular

Se no Capitólio a sessão foi para investidores, é para os futuros visitantes que se dirige o roadshow que durante os próximos sete meses irá percorrer a 24 freguesias da cidade. A ideia passa convidar os lisboetas a conhecer o projecto para a nova Feira Popular incentivando-os a apresentar também as suas propostas para o recinto.

A caravana arranca na próxima semana.

Mais notícias sobre:
Investir