Comercio, Investir

Fernando Medina orador convidado da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã

11, Maio 2018
  • Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã
    Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã

Por ocasião da Assembleia Geral de 2018 da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã (Deutsch-Portugiesische Industrie und Handelskammer) decorreu no Palácio do Hotel Tivoli, no dia 10 de maio, um jantar de confraternização dos sócios e que teve como orador convidado o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Perante centena e meia de comensais, onde se incluíam o embaixador da República Federal Alemã, Christof Weil, e muitos empresários e executivos de empresas alemãs com atividade em Portugal, o diretor cessante do Conselho Diretor desta instituição (que é a maior câmara de comércio bilateral em Portugal e uma das maiores do mundo em número de associados), Markus Kemper, apresentou o orador, seu conhecido de há muitos anos, como sendo um "interlocutor atento" dos empresários alemães, um autarca que "não se limita a embelezar a capital" mas também a "atrair investimento estrangeiro" através da criação de "centros de excelência". Entre outros exemplos, referiu a decisão da Mercedes Benz instalar um centro de oferta de soluções digitais no Hub Criativo do Beato.

Fernando Medina agradeceu o convite, referindo que teve a oportunidade profissional de "aprender muito com empresas alemãs", organizações que "arriscam estabelecer-se noutro país criando relações de confiança", que igualmente agradeceu. Centrando a sua intervenção na atualidade que se vive na capital portuguesa, o edil lisboeta levantou a "questão política central do que fazer em tempo de sucesso", chamando a atenção para a necessidade de "aproveitar a oportunidade do bom momento para preparar o futuro respondendo aos desafios".

Para o autarca, esses desafios começam na "necessidade de adaptar a cidade à nova realidade económica, adaptando os serviços públicos ao crescimento", nomeadamente o que se verifica no turismo e no imobiliário, mas sabendo "preservar os valores identitários da cidade". O segundo desafio será o de transformar a cidade num "centro produtor de serviços qualificados", "robustecendo-a para atrair e manter talentos". Para o efeito, projeta uma "maior oferta de espaços destinados a serviços, com maior apresentação integrada" - como promete vir a acontecer na zona de Entrecampos, que prevê vir a ser uma "montra qualificada e cosmopolita de Lisboa", ou com a expansão da área do Hub Criativo do Beato a toda a zona do antigo complexo fabril da Manutenção Militar, com a instalação de centros da Mercedes Benz e de outras grandes empresas.

Com vista a estes objetivos, Fernando Medina aposta na "aceleração dos investimentos na requalificação do espaço público e na melhoria da mobilidade com mais oferta de transportes públicos de qualidade". Finalmente, como último desafio, o autarca aponta a "capacidade de manter a cidade segura", num ambiente "compatível com os valores da tolerância e da abertura", que são "indispensáveis à diversidade, à economia aberta e à inovação", factores que "tornam as grandes cidades globais cada vez mais perto umas das outras".

Mais notícias sobre:
Comercio, Investir