Cultura e Lazer, Município

Homenagem a Zeca Afonso no Dia da Liberdade

25, Abril 2017
“Grândola vila morena, terra da fraternidade, o povo é quem mais ordena, dentro de ti ó cidade!” Zeca Afonso, autor de umas das icónicas músicas da liberdade, foi hoje homenageado em Lisboa com um memorial no jardim das Francesinhas.43 anos depois da Revolução de abril, o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa lembrou que este é um tributo a "todos os que lutaram para estarmos aqui hoje em liberdade."
  • Homenagem a Zeca Afonso no Dia da Liberdade
    Homenagem a Zeca Afonso no Dia da Liberdade

O memorial, que nasce de uma proposta do Orçamento Participativo de Lisboa, foi desenvolvido pela Câmara Municipal de Lisboa em parceria com a AJA- Associação José Afonso e é para Fernando Medina a demonstração do movimento de cidadania que se vive na capital.

Um local, recuado no espaço do jardim pretende, no futuro, ser ponto de encontro para leituras de poesia e outros momentos de celebração cultural dinamizados pela AJA.

Um hino à liberdade e aos valores de abril que, além da justa evocação a Zeca Afonso, é, para o presidente da CML, "um momento bonito para a cidade que resulta de um movimento de cidadãos e uma forma de contar a história daqueles que lutaram para podermos estar aqui em liberdade".

 O memorial reúne um conjunto de elementos biográficos patentes na sua construção e na sua localização: o jardim encontra-se junto ao poder político da Assembleia da República, do Ensino e da Juventude, encontra-se “paredes meias” com o Instituto Superior de Economia e Gestão, e da própria AJA, entidade que promove o conhecimento e a valorização da vida e obra do cantautor.

Manuel Freire, presidente da Assembleia-Geral da AJA agradece à autarquia a "concretização de um sonho numa justa homenagem a "um homem que marcou este país pela sua coragem e pelo seu talento".

Uma opinião partilhada pelo Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, para quem "este é o melhor sítio para homenagear Zeca Afonso".

 Monumento a José Afonso

"Cidade

Sem muros nem ameias

Gente igual por dentro

Gente igual por fora

Onde a folha da palma

afaga a cantaria

Cidade do homem

Não do lobo, mas irmão

Capital da alegria"

( Excerto do poema "Utopia" de José Afonso)

O memorial, concebido como parte do trabalho de curso dos alunos de Escultura da Faculdade de Belas-Artes, sob orientação do professor Sérgio Vicente, e a placa em bronze concebida por Luísa Barros Amaral, tem cerca de 3 m de altura em betão branco, com aplicação de uma placa/retrato do homenageado em bronze, sendo todas as inscrições com letras em bronze.

No verso do monólito pode ler-se a reprodução integral do poema “Utopia” da autoria de Zeca Afonso.

Teve 395 votos na edição de 2012 do Orçamento Participativo de Lisboa.

Zeca Afonso

1929-1987

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos nasceu a 02 de agosto de 1929, em Aveiro. Estudou em Coimbra, no curso de Ciências Histórico-Filosóficas da Faculdade de Letras, foi professor em vários pontos do país e também viveu em Moçambique.

Ao longo da sua carreira como cantor e músico interpretou o fado de Coimbra, mas ficou mais conhecido pelas suas canções de intervenção, contra o regime ditatorial. Morreu, aos 57 anos, a 23 de fevereiro de 1987, tendo o seu funeral reunido milhares de pessoas, em Setúbal.

 

Array
Mais notícias sobre:
Cultura e Lazer, Município