Ajuda, Ambiente, Cultura e Lazer

Jardim Botânico da Ajuda faz 250 anos

07, Fevereiro 2018
Hoje património da Universidade de Lisboa, é uma criação pombalina de 1768 e foi o primeiro jardim botânico do país.

É o primeiro jardim botânico português, faz 250 anos e a data é assinalada hoje, 7 de fevereiro, com a apresentação de um programa de atividades para festejar a efeméride. 

Com uma área de 3,5 hectares, o Jardim Botânico da Ajuda tem mais de 1 500 espécies de árvores e arbustos registadas na sua base de dados e, fora desta, outras 500 espécies, incluindo orquídeas e plantas suculentas, revelou à agência Lusa a diretora do espaço, Dalila Espírito Santo, que destaca, entre as árvores, um dragoeiro que "durante muito tempo" foi o maior em Portugal, "com uma copa que passava dos 20 metros de diâmetro".

Hoje património da Universidade de Lisboa, o jardim é uma criação pombalina de 1768 e foi projetado por um botânico italiano, Domingos Vandelli, chamado a Portugal pelo rei D. José para dar aulas aos príncipes.

Nos tempos áureos chegou a ter cinco mil espécies e conserva ainda lagos e fontes, alguns restaurados com verbas da Associação dos Amigos do Jardim Botânico da Ajuda, como a Fonte das 40 Bicas, assim chamada por, no passado, ali jorrar água de 40 pontos.

Hoje, descreve Dalila Espírito Santo, "os pontos de saída de água são 31", distribuídos por bocas de cobras, leões-marinhos, golfinhos, sapos, cavalos-marinhos e de uma garoupa.

"Interessante é ver como os artesãos da época imaginavam os animais do mar, sendo o golfinho mais parecido com um grande tamboril", refere, acrescentando que a designação de golfinho é a que "está no caderno de encargos" da altura.

A fonte, de estilo barroco, foi mandada construir pelo chefe dos jardineiros, Mattiazzi, no período em que Domingos Vandelli esteve em Coimbra, onde dirigiu o Jardim Botânico, e "representa o imaginário relativo ao mar e aos perigos de nele navegar no tempo dos Descobrimentos".

Em 1941 um ciclone arrancou muitas das suas árvores, em 2010 foi criado um banco para armazenar as sementes produzidas na sua coleção de espécies, ajudar a substituir as que morrem e guardar as sementes de plantas autóctones

O Jardim Botânico da Ajuda, integrado como infraestrutura de ensino e investigação do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, é o primeiro jardim botânico português a ser desenhado para estudar e colecionar o máximo de plantas.

Para comemorar o aniversário, o jardim preparou um programa de atividades que decorrerão ao longo do ano, como formação de guias, 'workshops' sobre catos, plantas suculentas e orquídeas, exposição de cerâmica contemporânea do escultor António Vasconcellos Lapa, congresso europeu sobre jardins botânicos, visitas guiadas, oficinas lúdicas para crianças, teatro e música.

Fonte: Lusa

Mais notícias sobre:
Ajuda, Ambiente, Cultura e Lazer