Ambiente, Município, Participar

Jardim Botânico devolvido à cidade: uma conquista do Orçamento Participativo

22, Abril 2018
“Um espaço mítico e emblemático” agora recuperado por Lisboa, disse Fernando Medina na cerimónia que assinalou a reabertura do Jardim Botânico da Universidade de Lisboa, após obras de recuperação levadas a cabo pelo município.

As obras realizadas quase não se percebem mas foram fundamentais para que o Jardim Botânico da Universidade de Lisboa, na zona do Príncipe Real, possa agora ser de novo usufruído pelos lisboetas e quem visita a cidade, e o momento foi assinalado numa cerimónia que contou com o presidente da Câmara Municipal, Fernando Medina, o vereador do Ambiente, José Sá Fernandes, e o reitor da Universidade de Lisboa, António Cruz Serra. 

Mais um espaço devolvido a Lisboa, disse Fernando Medina, que lembrou a recente inauguração do Campo das Cebolas reabilitado, a reativação, brevemente, do elétrico 24, e a reabilitação do jardim do Campo Grande, que no dia 25 de Abril se passará a chamar Jardim Mário Soares. 

”A cidade vive hoje um momento único de dinamismo e assim continuaremos” afirmou o edil, que destaca “a excepcional relação da Câmara Municipal com a Universidade de Lisboa” e vinca alguns projetos em curso, como a ampliação da rede de residências universitárias e a recuperação de vários espaços da academia. 

Património único

A cooperação entre autarquia e universidade é também valorizada por Sá Fernandes, que destaca o facto das obras resultarem de um projeto vencedor do Orçamento Participativo e clarifica que embora o resultado da intervenção não seja imediatamente visível, pois foi sobretudo ao nível das infraestruturas, os benefícios para este “património ecológico único da cidade” são imensos.

“Uma obra quase de ourivesaria”, afirma. As obras incidiram sobretudo num novo pavimento dos caminhos, na recuperação dos gradeamentos, no melhoramento e ampliação do sistema de rega, para além da construção de um anfiteatro e da recuperação do lago inferior. 

António Cruz Serra agradeceu a colaboração da Câmara Municipal de Lisboa, particularmente do seu presidente, não só na recuperação deste jardim mas também em áreas como a das residências universitárias, que o reitor espera duplicar no próximo mês de maio.

O Jardim Botânico de Lisboa,  fundado entre 1873 e 1878, é Monumento Nacional desde 2010 e parte integrante do MUHNAC – Museu Nacional de História Natural e da Ciência, da Universidade de Lisboa. Desempenha uma importante missão na conservação das espécies, na preservação da biodiversidade, na regulação do clima e na gestão sustentável da cidade, com cerca de 1 500 espécies vegetais referenciadas.

 

 

Array
Mais notícias sobre:
Ambiente, Município, Participar