Alvalade, Ambiente

Jardim do Campo Grande Renovado

14, Novembro 2013
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado
  • Jardim do Campo Grande Renovado
    Jardim do Campo Grande Renovado

O Jardim do Campo Grande – zona norte – foi reaberto após obras de requalificação. O jardim foi convertido pela Câmara Municipal de Lisboa num Espaço verde mais atrativo e com maior capacidade de carga para albergar novos usos e novas funções, potenciando a sua proximidade a toda a área do Campus Universitário.

A intervenção teve como objetivo recuperar o jardim, que constitui uma ampla estrutura verde, dando-lhe maior visibilidade e profundidade, onde predominam os relvados e os prados. Toda a estrutura verde arbórea foi mantida e recuperada, e plantados novos espécimes. Na área central, de espaço livre, foi evitada a presença de arbustos, procurando a clareira, vetor fundamental para aumentar a capacidade de carga e a segurança. A iluminação pública foi também renovada, tornando o jardim mais iluminado durante o período nocturno.

Uma das novidades do Jardim do Campo Grande é o primeiro recinto de recreio canino da cidade de Lisboa, um espaço vedado com vários obstáculos, onde os cães podem correr e brincar soltos e em segurança, infra-estrutura que se pretende alargar a outros espaços verdes da cidade.

O lago, elemento central do jardim, foi impermeabilizado e remodelado de modo a potenciar a sua relação com o edifício do Caleidoscópio, nomeadamente na incorporação de uma superfície de estada. Contempla agora um novo sistema de tratamento simplificado e sinergético com a rede de rega, utilizando o recurso hídrico subterrâneo. Por outro lado, e de forma a contribuir para o aumento da eficiência hídrica do Jardim o sistema de drenagem foi concebido de modo a otimizar os usos da água das chuvas.

De forma a minimizar o impacto negativo da circulação rodoviária ao redor do jardim, foi privilegiada a instalação de uma orla arbustiva densa associada à modelação do terreno.

A Universidade de Lisboa, que tem a responsabilidade de recuperar o edifício do Caleidoscópio através de Protocolo com a CML, colaborou na reabilitação do edifício de apoio às atividades desportivas que dará suporte ao uso dos novos campos de Padel, três dos quais já concluídos.

Outra das surpresas do jardim resulta da parceria entre a CML e a Sociedade Portuguesa de Matemática. Assim foram criados vários elementos que decoram o espaço. O quarto de Ames, peça foi inventada pelo oftalmologista americano Adalbert Ames em 1934, que pretende ser uma ilusão de óptica em que o observador perceciona a forma de um quarto como cúbica, com paredes paralelas, quando na realidade não o é; uma escala, ao longo do jardim, com os principais feitos na área da matemática; e quatro "bancos matemáticos": "o Mancala", O "Alquerque", o "Moinho" e o "Hex".

 

Mais notícias sobre:
Alvalade, Ambiente