Investir, Município

Lisboa Robotics na internet

29, Junho 2017
Nem o jogo decisivo da Seleção Nacional contra o Chile demoveu os participantes da primeira Lisboa Robotics Talk, onde foi apresentado a página na internet do Cluster da Robótica da Cidade de Lisboa, que arrancou no início do ano e tem vindo a crescer.

Na primeira Lisboa Robotics Talk, que decorreu dia 28 de junho no Salão Nobre das instalações da Carris em Alcântara, foi apresentado o sítio na internet para o projeto, que pretende dinamizar o Cluster da Robótica de Lisboa e criar naquele espaço um ponto de encontro para a todos os atores do setor. Paulo Soeiro de Carvalho, director municipal de Economia e Inovação, coordenou o debate, que foi antecedido por uma reunião mais restrita. 

Apresentado em fevereiro deste ano, o Lisboa Robotics é dinamizado pela Câmara Municipal de Lisboa, o Institute for Systems and Robotics (ISR-Lisboa), e a Sociedade Portuguesa de Robótica. O projeto começou por federar a comunidade da cidade nesta área (universidades, centros de investigação, empresas e startups) e criar espaços de experimentação com o objetivo de transformar Lisboa num autêntico laboratório vivo, explica o dirigente municipal.  

São os Hotspots, que permitem a empresas e investigadores testarem novos produtos, conceitos e serviços nesta área da robótica e da automação, “para que possam eventualmente escalar a partir daqui para outras cidades e para o resto do mundo”, diz. Paulo Soeiro de Carvalho explica que até agora foram identificados cinco espaços com essa finalidade, como o quartel do Regimento de Sapadores de Bombeiros em Chelas, onde podem ser testados produtos ligados ao resgate de pessoas, combate a incêndio, salvamento em edifícios, ou teste de drones. Estão também disponíveis dois aterros, o Lispolis e um tanque municipal no Cabeço das Rolas, onde já estão a ser testados robots submarinos. 

O segundo passo será criar na cidade de Lisboa uma incubadora e um acelerador de projetos e empresas na área da robótica e do hardware, o projeto está ainda na fase de discussão. 

Mas para que Lisboa seja a “vanguarda da robótica e das novas tecnologias, temos que nos preparar para esse futuro”, alerta, para adiantar que foi criado um espaço de debate (Think Tank) em três áreas: implicações societais da robótica, ética e questões regulamentares e legais. 

O ponto fundamental é, esclarece o dirigente, “as cidades são eles próprios os espaços onde as novas tecnologias são testadas e depois ganham escala para o mundo inteiro. E é esse o nosso contributo, é isso que o Lisboa Robotics pretende ser no futuro.”

“A cidade está num caminho de grande dinamismo, muita inovação e grande criatividade, mas temos que continuar a trabalhar, há muita coisa para escalar” e esta é mais uma peça para demonstrar que “o que está a acontecer na cidade de Lisboa não é uma coisa passageira”, sublinha. 

O website, que estará brevemente disponível, apresenta uma configuração simples mas com as funcionalidades necessárias para informar e colocar em rede toda a comunidade da robótica em Lisboa. No menu disponível é possível conhecer o ecossistema, encontrar os vários vários hospots disponíveis e fazer marcações, aceder a notícias sobre a área e encontrar os vários eventos que se realizam em toda a cidade. Posteriormente estarão ainda disponíveis uma área para o Think Tank e outra para a incubadora. 

Mais notícias sobre:
Investir, Município