Benfica, Desporto

Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito

01, Abril 2017
O Grupo Desportivo de Direito deu hoje um passo decisivo para a construção de um novo campo de râguebi. A cerimónia de colocação da primeira pedra, marca o arranque de um projeto, apoiado pela Câmara de Lisboa, que ambiciona aumentar o número de praticantes, de 400 para 600.
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
  • Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito
    Novo campo de râguebi do Grupo Desportivo de Direito

Formado por “um grupo de amigos e estudantes da Faculdade de Direito de Lisboa”, no início da década de cinquenta do século passado, o Grupo Desportivo de Direito (GDD) foi “o primeiro clube de râguebi a ter instalações próprias”, que ocupa desde 1995, no Complexo Desportivo de Monsanto, junto ao Bairro da Boavista, em Benfica.

Miguel Ferreira, fundador e atual presidente da Assembleia Geral, recordou alguns períodos mais relevantes da história do clube, afirmando que "desde 1952 até 1995, sobrevivemos". Até que, "se deu o casamento com a Câmara Municipal de Lisboa", com a mudança das instalações para o Monsanto, local da atual sede.

"Usámos bem aquilo que a câmara nos deu, demos vida à cidade, trouxemos centenas de crianças para o Monsanto, conseguimos que esta zona fosse um espaço urbano ao dispor da juventude da cidade", afirmou. Desde a fundação oficial, em 14 de Outubro de 1952, o atual campeão nacional da modalidade conquistou, nos últimos vinte anos, 11 campeonatos nacionais, 11 supertaças, 9 taças de Portugal, e 4 taças ibéricas.

Para Luis Morais, presidente da direção do GDD, este é um dia "muito importante", para um clube que "já não é só o râguebi". Temos hoje, adiantou, protocolos e parcerias várias com diversas instituições da cidade. "O nosso complexo tem estado aberto à cidade de Lisboa", num "sítio maravilhoso, de que temos sido fiéis depositários", afirmou, numa referência à disponibilização dos terrenos que ocupam, por parte da autarquia.

A primeira pedra do novo campo, ambicionado há cerca de 20 anos, sublinhou, "vai permitir passar de 400 atletas, provavelmente num curto espaço de tempo, para 600 atletas".

O GDD "é hoje uma das grandes instituições desportivas do país", um clube "aberto na relação com a comunidade", que a câmara tudo fará para apoiar, começou por garantir Fernando Medina.

Resolvidos os problemas de clubes da cidade, cujas infraestruturas de râguebi apresentam problemas, como o CDUL, São Miguel, Belenenses, e hoje o GDD, o presidente da autarquia, acompanhado nesta cerimónia pelo vereador do Desporto, Jorge Máximo, afirmou que "não gostava de acabar o mandato sem resolver as questões relativamente ao Técnico, e também, eventualmente, relativamente ao Benfica".

Falando durante a realização de um torneio internacional infantil, que ia decorrendo ali ao lado nas instalações do clube, o presidente da câmara salientou o significado da modalidade, como "um extraordinário movimento de famílias, crianças, jovens, uma escola", contribuindo para "a formação cívica, pessoal e humana dos nossos jovens", como poucas modalidades desportivas conseguem, concluiu.

Array
Mais notícias sobre:
Benfica, Desporto