Investir, Município

O primeiro dia do novo Hub Criativo de Lisboa

17, Junho 2016
Com este ato damos um passo da maior importância para o futuro da cidade de Lisboa, afirmou Fernando Medina na apresentação do futuro Hub Criativo e Empreendedor que será criado nas instalações da antiga Manutenção Militar no Beato. Revitalizar a zona ocidental da cidade e focar Lisboa nas indústrias tecnológicas e criativas são as duas dimensões que o presidente da Câmara Municipal salienta no projeto.
  • O primeiro dia do novo Hub Criativo de Lisboa
    O primeiro dia do novo Hub Criativo de Lisboa

Fernando Medina e António Costa apresentaram hoje, 17 de junho, o novo Hub Criativo e Empreendedor de Lisboa, um espaço de referência para a capital e para o país que começa agora a ser preparado  nas instalações da antiga Manutenção Militar no Beato. Com os olhos no Web Summit, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa pretende aproveitar o evento para criar naquele espaço uma “âncora fundamental do desenvolvimento tecnológico, do emprego e do futuro da cidade.”

O edil, que visitou demoradamente as instalações com o primeiro ministro, revelou que até ao final do ano estará concretizado o master plan para a utilização do hub, que contará com zonas para incubadoras, restauração, residências de artistas e serviços de apoio.

“Um dos polos mais importantes de toda a Europa”, diz Fernando Medina, clarificando que o projeto será coordenado pela Startup Lisboa e implementado ao longo dos próximos anos com o envolvimento de muitas das entidades e empresas que “irão dar vida ao espaço”. Onde, adianta, poderão vir a trabalhar cerca de três mil pessoas. 

 

Em nome do futuro

Um plano que não é complicado mas é exigente, diz Medina, “em nome da construção do futuro da cidade de Lisboa.” E é em nome desse futuro que a autarquia encara o projeto, também pela oportunidade que traz ao desenvolvimento da zona oriental de Lisboa, permitindo a sua revitalização e regeneração, particularmente da frente ribeirinha entre Santa Apolónia e a zona do Braço de Prata. Uma oportunidade que António Costa sublinha: "desde 1998 que se aguarda a conclusão deste caminho do oriente, que permita ligar a Expo ao centro da cidade."

Um dos “esforços mais ambiciosos no ponto de vista do desenvolvimento integrado” naquela zona desde os tempos da Expo 98”, sublinha, frisando ainda que permitirá “dotar e focar o futuro da cidade nas indústrias do século XXI: as indústrias do mundo digital, da inovação e da criatividade.”

Porque, afirma ainda António Costa, "o país só se pode desenvolver com base no investimento, no conhecimento, na qualificação e na inovação." O primeiro-ministro salienta ainda que o hub permitirá atrair empreendedores , criadores e iniciativas para a cidade.

As instalações, que Medina lembra serem representativas da indústria dos séculos XIX e XX e um marco da sua história no país, preservam a memória desse período e o edil afirma que é intenção da autarquia salvaguardar o património existente. Ali é possível ainda ver o armazém (celeiro), as fábricas de moagem, do pão e de massa, a central elétrica ou o armazém das grillas.

Fernando Medina salientou ainda o empenho do Governo e particularmente do Exército pelo empenho e “espírito de missão” no desenvolvimento do processo, que avança agora para uma nova etapa, após ter sido assinado, durante a iniciativa, o protocolo de cedência da área sul das instalações. Que, revela António Costa, custará à autarquia sete milhões de euros nos próximos cinco anos.        

Array
Mais notícias sobre:
Investir, Município