Ambiente, Higiene urbana, Investir

Oficinas dos Olivais receberam mais um Repair Café

24, Junho 2019
Três centenas de pessoas participaram no Repair Café #22, uma iniciativa destinada a dar nova vida a objetos avariados que desta vez se realizou no polo dos Olivais da Câmara de Lisboa. A próxima edição será em julho, em data e local a anunciar.

Vários objetos que muitos julgavam irremediavelmente perdidos ganharam nova vida este domingo, 24, no Polo dos Olivais da Câmara Municipal de Lisboa, em mais uma edição do Repair Café. Uma iniciativa da autarquia com o FabLab Lisboa e a  Circular Economy Portugal, que mobilizou cerca de trinta munícipes e vários voluntários.

O objetivo do Repair Café, que conheceu agora a sua 22.ª edição, é mobilizar as pessoas para que levem objetos avariados ou deteriorados para que, com o apoio e voluntários, possam ser reparados, contrariando a  cultura de desperdício e do descartável.

E foi isso que aconteceu. Entre televisões, aspiradores, máquinas de café, brinquedos de crianças, cadeiras e, mesmo, um sofá, foram muitos os objetos a ganhar nova vida e a evitar o caminho do lixo. Alguns com reparações mais complicadas, entre puro trabalho eletrotécnico, de marceneiro ou de estofador, outros de solução bem simples. Como uma televisão, que imagine-se, ficou a funcionar com uma limpeza do pó que se tinha acumulado entre os componentes.

Como o próprio nome indica havia café e bolinhos, as crianças também não foram esquecidas e passaram uma agradável tarde em atividades no espaço especialmente montado pelo departamento de Educação da autarquia.

Tudo isto num ambiente sui generis – as oficinas municipais -, junto a várias viaturas da câmara que também chamaram a atenção de miúdos e graúdos. Bem como uma exposição de viaturas clássicas, especialmente montada para o evento.

O Repair Café não acaba aqui, a organização já está a pensar, para julho, na edição 23, em local e data a anunciar. Esteja atento e vá pensado no que pode reparar. O ambiente agradece, e verá que a sua carteira também.

Mais notícias sobre:
Ambiente, Higiene urbana, Investir