Ambiente, Município

Percurso ecológico assinala Dia do Ambiente em Lisboa

05, Junho 2019
Entre o Parque Eduardo VII e os Paços do Concelho, de trotinete e bicicleta Gira, foram visitados vários exemplos de boas práticas ambientais.

No dia 5 de junho, Dia Mundial do Ambiente, o vereador do Ambiente e Estrutura Verde, José Sá Fernandes, visitou com a ZERO-Associação Sistema Terrestre Sustentável, alguns locais da cidade que constituem exemplos de boas práticas ambientais, entre o Alto do Parque Eduardo VII e os Paços do Concelho.
 
Com esta iniciativa, a autarquia pretende chamar a atenção para os problemas ambientais e as medidas a adotar para tornar a cidade e o país mais sustentáveis e preparados para as alterações climáticas.

A utilização cada vez mais insustentável dos recursos, associada ao desafio do combate e adaptação às alterações climáticas, torna urgente generalizar a adoção de boas práticas em todas as áreas ambientais, por forma a reestabelecer um equilíbrio com a natureza.

O percurso começou de trotinete, junto a um espaço de hortas urbanas perto do jardim da Amnistia Internacional, que trazem diversos benefícios para a população e para a cidade, nomeadamente a produção de alimentos biológicos pelas próprias famílias ou a existência de mais espaços permeáveis na cidade.

A visita continuou até aos prados biodiversos semeados no início do Corredor Verde Gonçalo Ribeiro Telles, do lado do antigo Palácio da Justiça, um espaço verde mais adaptado ao clima e com  menos necessidade de água. Estas soluções contribuem para trazer de novo mais espécies animais para a cidade, aumentando a sua biodiversidade, bem como para uma maior retenção de água no solo.
 
Ainda de trotinete, o grupo seguiu rumo ao Parque Eduardo VII, um exemplo de espaço verde que, com uma gestão da rega mais sustentável, reduziu em 50 por cento as necessidades de água deste espaço verde.

A partir da Praça Marquês de Pombal o percurso seguiu em bicicleta GIRA até ao Mercado da Ribeira, onde foi visitada uma loja de produtos biológicos, e terminou nos Paços do Concelho, um exemplo de reabilitação com assinaláveis melhorias de conforto térmico e de eficiência energética, através da utilização de paineis solares para a produção de eletricidade.

Um final de percurso também simbólico, a lembrar que a cidade é Capital Verde Europeia em 2020, distinção que valoriza os esforços do município para transformar Lisboa numa cidade mais amiga das pessoas.

Mais notícias sobre:
Ambiente, Município