Avenidas Novas, Municipio, Segurança

Protocolo entre CML e o Centro Nacional de Cibersegurança

17, Maio 2017
A Câmara de Lisboa estabeleceu uma parceria de cooperação com o Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) com o objetivo de uma implementação de melhores práticas de prevenção de riscos informáticos na esfera pública.
  • Protocolo entre CML e o Centro Nacional de Cibersegurança
    Protocolo entre CML e o Centro Nacional de Cibersegurança

No dia 17 de maio, no CIUL, os dois parceiros assinaram um protocolo de cooperação institucional, seguido de uma sessão de apresentação sobre “desafios da cibersegurança para as autarquias”, apresentado pelo Dr. Vitor Morais do CNCS.

Consciente dos riscos do ciberterrorismo e da segurança dos sistemas de informação, o município de Lisboa está a procurar preparar-se contra riscos informáticos que possam por em causa a sua boa capacidade operacional. “Para além do forte investimento que lançámos na melhoria e modernização quer do nosso Data Center, quer do hardware e software do posto de trabalho - afirmou o vereador com o pelouro dos Sistemas de Informação, Jorge Máximo - estabelecemos uma parceria de cooperação com o Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) para nos apoiar na construção das melhores práticas em matéria de prevenção de riscos informáticos na esfera pública”.

O Almirante António Gameiro Marques revelou que este seria o primeiro protocolo que o CNCS assina com um município e “é por isso de referir a sua importância pois só assim conseguimos garantir um ciberespaço mais seguro numa situação de crise, como a que vivemos na sexta-feira passada (ataque global por um vírus informático aos sistemas de informação de grandes empresas e instituições). Fomos muito mais eficazes com as entidades protocoladas do que com as restantes, nesse dia, o que mostra a relevância destes acordos”.

Vítor Morais, durante a palestra sobre os desafios da cibersegurança para as autarquias, referiu a importância da formação e sensibilização dos colaboradores no sucesso da defesa do ciberespaço já que “90% do malware tem ação humana, basta um clique”.

O Centro Nacional de Cibersegurança atua como coordenador operacional e autoridade nacional especialista em matéria de cibersegurança junto das entidades públicas e das infraestruturas críticas, garantindo que o ciberespaço é utilizado como espaço de liberdade, segurança e justiça, para proteção dos setores da sociedade que materializam a soberania nacional e o Estado de Direito Democrático.