Intervenção social, Município

Solidários com Alepo

21, Dezembro 2016
As vítimas civis de Alepo estão nos corações do mundo e foram o mote para um concerto solidário que decorreu no Teatro Capitólio. Fernando Medina associou-se a esta causa e assistiu ao espetáculo, cujas receitas de bilheteira revertem a favor dos Médicos Sem Fronteiras.

Fernando Medina assistiu em 22 de dezembro ao concerto solidário a favor dos Médicos Sem Fronteiras por Alepo (Síria), que juntou cerca de vinte artistas nacionais no recém-renovado Cineteatro Capitólio, Parque Mayer. As receitas do espetáculo, em que atuam nomes como Ana Moura, Samuel Úria, Noiserv, Best Youth e Miguel Araújo, revertem a favor daquela associação, o espaço foi cedido gratuitamente pela Câmara Municipal de Lisboa e a empresa municipal de cultura EGEAC. 

Uma iniciativa "que mobiliza naturalmente Lisboa, cidade solidária", afirmou o presidente da Câmara Municipal, que se fez acompanhar pela vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, e a presidente da EGEAC, Joana Gomes Cardoso. "O mundo sofre com o que acontece atualmente em Alepo, é preciso travar o sofrimento daquele povo e a solidariedade é também uma forma de combate", disse o edil no início do espetáculo. 

Medina lembra ainda os milhares de refugiados que a guerra tem provocado e reitera a disponibilidade da autarquia para um esforço acrescido no acolhimento de muitos dos que procuram hoje na Europa refúgio. "Num quadro em que se fecham portas, erguem muros e crescem manifestações de racismo, xenofobia e intolerância, importa mais ainda afirmar Lisboa como uma cidade cosmopolita, tolerante e multicultural", diz. Por isso, "tal como neste concerto acontece, sim é preciso e urgente quebrar barreiras e construir pontes", sublinha. 

Ao palco subiram ainda, entre outros, Benjamim, Best Youth, D’Alva, Gospel Collective, Joana Alegre, Joana Barra Vaz, Luísa Sobral, Mikkel Solnado, Márcia, Noiserv, Rita Redshoes, Selma Uamusse, Tatanka, Tiago Bettencourt, Tó Trips e We Trust.

Segundo a ONU, cerca de 40 mil civis estão sitiados em Alepo, o principal bastião dos rebeldes que em 2011 iniciaram um combate contra o regime de Bashar al-Assad. A mesma organização refere ainda que a guerra na Síria já matou mais de 400 mil pessoas e obrigou mais de 4,5 milhões a fugirem.

A lotação da sala esgotou mas à entrada do Capitólio lia-se num cartaz que "é possível contribuir para os Médicos sem Fronteiras" com uma transferência bancária com as seguintes referências:

SWIFT Code: CAIXESBBXX ES57 2100 3063 99 2200110010

Mencionar: Iniciativa Concerto Solidário Portugal

Enviar comprovativo para emissão de recibo para iniciativassolidarias@msf.es (com nome completo, NIF, morada postal completa, telefone e endereço eletrónico).

Mais notícias sobre:
Intervenção social, Município