Intervenção social, Município

Unidade móvel ajuda toxicodependentes

08, Novembro 2018
Uma unidade móvel com equipa multidisciplinar estará em vários pontos de Lisboa para apoiar, monitorizar e encaminhar pessoas com dependências, num Programa de Consumo Vigiado.

O vereador dos Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, Manuel Grilo, assinou no dia 8 de novembro, na Sala de Exposições da Câmara Municipal de Lisboa, um protocolo tripartido entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) e a Administração Regional de Saúde, Lisboa e Vale do Tejo- (ARS-LVT), para a implementação e monitorização de um Programa de Consumo Vigiado em formato de Unidade Móvel. 

Segundo Manuel Grilo, o equipamento móvel “irá dar resposta a consumos em pontos localizados, onde existe esta prática a céu aberto, nomeadamente na zona central e oriental da cidade. Será gerido por uma equipa técnica multidisciplinar, de forma a garantir a segurança e higiene dos consumidores, assim como das comunidades envolventes, com respostas sociais, de cidadania e saúde.”

Trata-se do primeiro passo nesta área, que poderá ser alargado a outros pontos da cidade com mais duas unidades móveis previstas já no próximo ano. 

Um diagnóstico realizado em 2017 identificou a necessidade destes equipamentos para dar resposta a uma população de cerca de 1 400 consumidores em situação de exclusão social, em risco de morte por overdose, com elevadas prevalências de hepatite C, infeções pelo VIH e hepatite B e baixos índices de tratamento.  A finalidade é que o programa proporcione melhorias de saúde neste grupo alvo e, também, de forma indireta, toda a população que é obrigada a viver com este flagelo.

O SICAD esteve representado pelo seu diretor, João Goulão, e a ARS-LVT pelo seu presidente, Luís Pisco.

Mais notícias sobre:
Intervenção social, Município