Lusco-Fusco

Três anos volvidos, o pátio do Polo Cultural Gaivotas | Boavista volta a receber o Lusco-Fusco, para a sua 4.ª edição. Programa inspirado no território em que o Polo se insere, este ano procura o envolvimento não só dos agentes e entidades culturais que o frequentam, mas também de todos aqueles que residem ou cruzam este eixo da cidade.

Entre julho e setembro, o Polo oferece, com o apoio e parceria das entidades residentes no território, uma programação diversificada que contempla concertos, sessões de cinema, performances, peças de teatro e jantares com gastronomia internacional.

Num local onde, noutros tempos, conspirou a nobreza portuguesa e, mais tarde, crianças aprenderam a ler, a escrever e a contar, em ambiente de regime ditatorial e, mais tarde, de regime democrático, convidamos hoje, todos, a ocupar e a usufruir deste espaço, atualmente centro para a criação artística, e a (re)descobrir, a participar, e a desfrutar das iniciativas que aqui se apresentam.

Abrimos o nosso portão, uma vez mais, ao lusco-fusco dos dias de verão, em Lisboa.

Entrada livre, sujeita à lotação do pátio.

Parceiros: Água no Bico, Filho Único e Os Filhos de Lumière.

Programação:

Julho

4 JUL | DJ set + Concerto | Mar & Sol Sound System e Blyk Tchutchi

18h00
Final de tarde gaudioso com a chancela da Mar & Sol, editora que se dedica à re-edição de discos do passado bem como edição de novos álbuns por compositores e intérpretes de Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Sebastião Delerue, aqui nesta ocasião enquanto Mar & Sol Sound System, irá estar a escolher a música ambiente no pátio do Polo Cultural Gaivotas | Boavista.
Blyk Tchutchi nasceu em Cabo Verde, onde viveu a sua infância e adolescência até emigrar para Portugal ainda antes de ’74. Grava o primeiro disco a solo “Na quel dia tão lindo”, publicado em 1980, que se revela um clássico instantâneo entre os seus patrícios cá e lá, com a sua deliciosa poção reggae psych funaná. Seguiu-se “Libra de boca mundo” em ’83, "Na paz de Deus" em '86 e "Pensa dia de amanhã” um ano depois, álbuns gravados por conta própria em conjunto com o seu irmão Eloi de Tchutchi, e a seguir foi a sabática que parecia definitiva. Tem vindo a ensaiar com nova formação em tempos recentes, emoções fortes com a volta da lenda aos palcos.

Apresentado pela Filho Único

(m/6)

 Folha de sala (793 KB)

8 JUL | Performance | PLOT IV, Colectivo Lost Content, direção Mirró

21h30
Cerca das 21h30 os convidados darão entrada no Palácio Alarcão.
No sótão prepara-se um golpe que atravessará mais de 400 anos de história.
João Soares, da longa linhagem dos Alarcoens, abrirá as portas do seu palácio numa noite que ficará para a história. Pede-se discrição. Traje informal.

No suposto local onde uma conspiração fez rolar cabeças, o colectivo Lost Content aborda as questões da mutação de identidade nacional e individual, da portuguesa à ibérica, da ibérica à europeia, no mundo, entre o ficcional e o documental.
Co-criação: Gisela Duque Pereira, Joana Von Bonhorst, João Gambino, Mirró Pereira e Pedro Costa (Lost Content). Convidados: Adriana Aboim, Bernardo Gavina.

(m/12)

 

 Folha de Sala (630 KB)

10 JUL | Cinema | No País do Cinema | Stuart, de Zepe + A Cidade Branca, de Alain Tanner

21h30
STUART
Deambulações por uma Lisboa sórdida e abandonada a partir da obra gráfica de Stuart de Carvalhais.
Portugal – 2006 – 11 min

A CIDADE BRANCA

Um marinheiro suíço desembarca em Lisboa, onde decide ficar por algum tempo. Instala-se num quarto, de frente para a zona ribeirinha, e durante dias dedica-se a fazer pequenos filmes da cidade que depois envia para a mulher, juntamente com as cartas que lhe vai escrevendo.
Suíça, Portugal – 1983 – 108 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

Consulte a  folha de sala (604 KB).

(m/16)

11 JUL | Jantar + Concerto | De Panelas e Bagagens, comunidades e gastronomias: Moçambique + Isabel Novella

20h30
O Chef Nuno Carrusca (Água no Bico) apresenta uma interpretação de pratos típicos da gastronomia moçambicana, a partir do conceito de cozinha inclusiva com as dietas paleo, vegan, vegetariana e crudívora. Para acompanhar, um concerto de Isabel Novella para homenagear este país.

Preço do jantar: €15 (inclui 1 bebida, 1 prato, 1 sobremesa)
Sujeito a marcação prévia: 910 111 470 |  aguanobico.gaivotas@gmail.com

Consulte a  folha de sala (428 KB).


(m/6)

15 JUL | Performance | Skool Daze, Colectivo Lost Content, direção Mirró Pereira

21h30
Um saco contendo documentos é encontrado adormecido num sótão. Esse sótão já fez parte de uma escola primária. Quantos metros cúbicos de neblina são necessários criar para acordar a memória? Entre a ficção e o documentário, Skool Daze organiza, regista, manipula e arquiva memórias voluntárias e involuntárias sobre os dias de escola. A partir da descoberta deste espólio encontrado no Polo Cultural Gaivotas | Boavista, onde funcionou uma Escola Elementar, os criadores do colectivo Lost Content atravessam um nevoeiro espesso de quase um século em Portugal e das suas próprias memórias
Co-criação: Gisela Duque Pereira, Joana Barros, Joana Von Bonhorst, João Gambino, Mirró Pereira e Pedro Costa.
REPOSIÇÃO.

Consulte a  folha de sala (459 KB).

(m/12)

17 JUL | Cinema | No País do Cinema | Quaresma, de José Álvaro Morais

21h30
David é casado, tem uma filha pequena e está a poucos dias de partir para o estrangeiro com a família. Mas com a morte do avô, ele tem ainda que regressar à terra, e ao seio de uma família com quem há muito não convivia. Mas esta viagem, que era para durar o tempo de um funeral, acaba por transformar-se numa estadia de vários dias.
Portugal – 2003 – 95 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

Consulte a  Folha de sala (1.1 MB)

(m/12)

22 JUL | Performance | O que fazer daqui para trás_versão expandida, de João Fiadeiro

19h30
Performance que explora o tempo – duracional, suspenso, intervalar – ao “mesmo tempo” que foca a sua atenção naquilo que fica, no que foi esquecido, no resto. Será apresentada uma versão “expandida” da versão original, onde os performers, em vez de correrem em torno do teatro (como na versão original), correm entre espaços do bairro (o Atelier RE.AL, o Atelier-Museu Júlio Pomar, o Polo Cultural Gaivotas | Gaivotas, o Cão Solteiro e o Espaço Alkantara), até ficarem em estado absoluto de exaustão e, nessa condição exaurida, voltam ao palco para partilharem com o espectador uma experiência que viveram no exterior. Esta apresentação enquadra-se no evento DES|OCUPAÇÃO, organizado pelo Atelier RE.AL, e que marca a saída desta estrutura pioneira da Nova Dança Portuguesa da sua sede na Rua Poço dos Negros.

Consulte a  folha de sala (3.1 MB).

(m/6)

24 JUL | Cinema | No País do Cinema | Ici, de Pierre-Marie Goulet + Como Passei o Fim do Mundo, de Catalin Mitulescu

21h30
ICI
Enquanto andamos na nossa terra, pensamos que essas ruas nos são indiferentes. Que essas janelas, esses telhados e essas portas não nos dizem nada. Que essas paredes e muros nos são estranhos.
Mais tarde, quando já não estamos lá...
França – 1975 – 8 min

COMO PASSEI O FIM DO  MUNDO

Bucareste, 1989 - Último ano da ditadura de Ceausescu. Eva, de 17 anos, vive em casa dos seus pais com o irmão de 7 anos. Apaixonada pela primeira vez, ela descobre as dores da adolescência e a complexidade da vida de adulto. Eva tem um sonho secreto que só o seu irmão conhece: fugir da Roménia e viajar pelo mundo.
Roménia – 2005 – 106 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

Consulte a  folha de sala (675 KB).

(m/12)

29 JUL | Teatro | Sob convite, de Maria João Falcão

21h00
Qual a performatividade do conceito de autonomia? Qual a relação actriz-público? Qual o papel, a responsabilidade e a autoria de cada um? Pode separar-se o ator ou o espetador do espectáculo? São estas as questões que servem de base à performance que se apresenta, como resultado de um trabalho de mestrado da atriz Maria João Falcão sobre o tema da autonomia do ator e que tem sido também desenvolvido nas salas de ensaio do Polo Cultural Gaivotas | Boavista.

Será servida uma refeição ligeira durante o espetáculo
Reserva:  pologaivotasboavista@cm-lisboa.pt

Consulte a  folha de sala (444 KB).

(m/12)

31 JUL | Cinema | No País do Cinema | Clandestino, de Abi Feijó + Le Havre, de Aki Kaurismäki

21h30
CLANDESTINO
Um cargueiro, velho e ferrugento, entra no porto, na manhã de 24 de Dezembro. A bordo traz um passageiro clandestino que tenta, durante a noite, entrar a salto no País. A viagem de acesso à liberdade, pela amarra fora, é longa e penosa. Imagens catastróficas enchem-lhe a cabeça e perturbam-no.
Portugal – 2000 – 7 min

LE HAVRE
Marcel é um escritor reformado que deixa a sua vida para trás e parte com a mulher para Le Havre, uma cidade portuária de França. A sua rotina passa-se entre um bar, o seu trabalho como engraxador de sapatos e a vida doméstica com a mulher. Tudo muda quando ele encontra e tenta ajudar Idrissa, uma criança africana refugiada, que planeia chegar a Londres, e encontrar a sua família.
Finlândia, França, Alemanha – 2011 – 93 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

Consulte a  folha de sala (570 KB).

(m/12)

Agosto

5 AGO | Teatro | Sob convite, de Maria João Falcão

21h00
Qual a performatividade do conceito de autonomia? Qual a relação actriz-público? Qual o papel, a responsabilidade e a autoria de cada um? Pode separar-se o ator ou o espetador do espectáculo? São estas as questões que servem de base à performance que se apresenta, como resultado de um trabalho de mestrado da atriz Maria João Falcão sobre o tema da autonomia do ator e que tem sido também desenvolvido nas salas de ensaio do Polo Cultural Gaivotas | Boavista.

Será servida uma refeição ligeira durante o espetáculo
Reserva:  pologaivotasboavista@cm-lisboa.pt

Consulte a  folha de sala (444 KB).

(m/12)

7 AGO | Cinema | No País do Cinema | Os Salteadores, de Abi Feijó + Bab Sebta, de Pedro Pinho e Frederico Lobo

21h30
OS SALTEADORES
Dentro de um carro, numa viajem à noite ao longo da costa portuguesa, nos anos 50, ouve-se uma discussão sobre a identidade de um grupo de homens, capturados e mortos há alguns anos no decorrer da guerra civil espanhola.
Portugal – 1993 – 14 min

BAB SEBTA

Bab Sebta significa em árabe a porta de Ceuta e é o nome da passagem na fronteira entre Marrocos e Ceuta. É o local para onde convergem aqueles que, vindos de várias partes de África, procuram chegar à Europa. O filme percorre quatro cidades ao encontro dos tempos da espera e das vozes desses viajantes.
Portugal – 2008 – 110 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

(m/14)

 Folha de sala (691 KB)

8 AGO | Concerto | Jasmim

19h
“É com plenitude que Jasmim se debruça num cruzamento de influências que tocam no psicadelismo, na folk americana ou na música popular portuguesa, trata-se de um cardápio enriquecedor e multi-instrumentalista. Uma viagem imperdível até onde quisermos, porque afinal ele quer que sejamos livres, tão livres como a sua música.” 2019, Maternidade

Apresentado pela Filho Único

(m/6)

 Folha de sala (752 KB)

14 AGO | Cinema | No País do Cinema | O Comboio Mistério, de Jim Jarmusch

21h30
O filme é uma espécie de tríptico, com três histórias separadas que se cruzam, como os filmes japoneses feitos com várias histórias de fantasmas ou as comédias italianas. Mas em Memphis é o italiano que recebe a visita de um fantasma e o japonês que tem tendências românticas. E há também um inglês que dá cabo de tudo no final.
E.U.A. – 1989 – 110 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

(m/12)


 Folha de Sala (523 KB)

15 AGO | Jantar | De Panelas e Bagagens, comunidades e gastronomias: Timor-Leste + Piki Pereira

20h30
O Chef Nuno Carrusca (Água no Bico) apresenta uma interpretação de pratos típicos da gastronomia timorense, a partir do conceito de cozinha inclusiva com as dietas paleo, vegan, vegetariana e crudívora. Para acompanhar, um concerto de Piki Pereira para homenagear este país. Para se envolver.

Preço do jantar: €15 (inclui 1 bebida, 1 prato, 1 sobremesa)
Sujeito a marcação prévia: 910 111 470 |  aguanobico.gaivotas@gmail.com

(m/6)


 Folha de sala (726 KB)

21 AGO | Cinema | No País do Cinema | O Vento Levar-nos-á, de Abbas Kiarostami

21h30
Um engenheiro de Teerão chega a uma longínqua e pequena povoação do Curdistão iraniano, para tentar registar em imagens o enigma das mulheres que ferem a cara quando alguém próximo morre. Mas os habitantes não sabem qual é a missão que leva estes estrangeiros à sua pequena aldeia e pensam que aqueles homens procuram um tesouro.
Irão – 1999 – 118 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

(m/12)


 Folha de sala (652 KB)

28 AGO | Cinema | No País do Cinema | La Tempestaire, de Jean Epstein + A Dupla Viagem, de Teresa Garcia

21h30
LA TEMPESTAIRE
O filme gira em torno de uma mulher, na Bretanha, que está preocupada com o seu noivo, um pescador que partiu para o mar quando se levanta uma tempestade. Ela procura ajuda para acalmar a fúria dos mares.
"Desde 1928 até ao fim dos seus dias, Jean Epstein abandona os estúdios e parte para a Bretanha para escapar ao artifício e regressar ao mundo. Foi aí que Epstein encontrou o seu “país do cinema” (M. P. Duhamel-Müller)
França – 1948 – 22 min

A DUPLA VIAGEM
Helena, desesperada com a partida iminente do Pedro, e perante a oposição peremptória dos pais, decide fechar-se no quarto, não comer nem beber até ao regresso dele. Mas numa manhã, ao nascer do dia, quando o Pedro se prepara para largar a última amarra do seu barco, Helena surge…
Portugal – 2002 – 30 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

(m/12)

 Folha de sala (713 KB)

Setembro

4 SET | Cinema | No País do Cinema | La Morte Rouge, de Victor Erice + Ponto Morto, de André Godinho

21h30
LA MORTE ROUGE
Aos cinco anos de idade, na companhia de sua irmã mais velha, Victor Erice assistiu ao primeiro filme de sua vida: "O Garra Escarlate" um mistério de terror pertencente à série Sherlock Holmes. A exibição de "O Garra Escarlate" está no coração de "La Morte Rouge", mas Erice está interessada em todas as dobras e contornos do evento: o teatro e o contexto histórico, a experiência cinematográfica e seus efeitos duradouros.
Espanha – 2006 – 34 min

PONTO MORTO
Ponto Morto acompanha a viagem de automóvel de um casal que parte de férias. No caminho encontram uma mulher morta num acidente de carro e a viagem toma um outro rumo.
Portugal – 2014 – 34 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

 Folha de sala (581 KB)

(m/12)

5 SET | Jantar | De Panelas e Bagagens, comunidades e gastronomias: São Tomé e Príncipe + Filipe Santo e amigos

20h30
O Chef Nuno Carrusca (Água no Bico) apresenta uma interpretação de pratos típicos da gastronomia de são-tomense, a partir do conceito de cozinha inclusiva com as dietas paleo, vegan, vegetariana e crudívora. Para acompanhar, um concerto de Filipe Santo e amigo para homenagear este país. Para se envolver.

Preço do jantar: €15 (inclui 1 bebida, 1 prato, 1 sobremesa)
Sujeito a marcação prévia: 910 111 470 |  aguanobico.gaivotas@gmail.com

Consulte a  Folha de Sala (293 KB).

 
(m/6)

11 SET | Cinema | No País do Cinema | Stromboli, de Roberto Rosselini

21h30
Para conseguir sair de um campo de refugiados, Karin, uma jovem lituana, casa-se com um pescador da ilha vulcânica de Stromboli, na Sicília.
Em um ambiente hostil a vida na ilha está rapidamente se tornando um inferno, ela decide fugir...
Itália – 1950 – 107 min

Programação No País do Cinema: Os Filhos de Lumière

 Folha de sala (553 KB).

(m/12)

12 SET | Concerto | Sallim

19h00
"A ver o que acontece mostra-nos uma vez mais que a música de Sallim é essencial. Canção após canção, pode ouvir-se a maturação da música da jovem cantora: uma viagem à Cruz Quebrada (onde vive desde a infância) adquire a forma de um sólido álbum, no qual as canções ganham maior nitidez e a voz mais segurança, ainda que atravessando temas e motivos que traz consigo desde sempre - a dúvida, a procura, o amor. Das letras aos beats, dos arranjos às harmonias vocais, "A ver o que acontece" é um álbum pop de amor. Súmula da geração influenciada pela música pop e R&B americana, ao mesmo tempo preocupada com as raízes e particularmente atenta aos próprios sentimentos e sensações, Sallim encontra a plenitude da sua identidade cantando na própria língua, a pulmões abertos [“porque é que importa tanto / só sei falar quando canto” – ‘Bom Pra Mim’].” 2019, Cafetra Records

Apresentado pela Filho Único

 Folha de sala (264 KB)

(m/6)