Ambiente, Avenidas Novas

Apresentado Plano de redução do Ruído

10, Janeiro 2014
  • Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído
    Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído
  • Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído
    Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído
  • Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído
    Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído
  • Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído
    Lisboa apresenta Plano de redução do Ruído

No âmbito da elaboração do Plano de Ação do Ruído de Lisboa, cujo período de consulta pública decorre até 28 de janeiro, a Câmara Municipal de Lisboa organizou, dia 9 de janeiro, no Centro de Informação Urbana de Lisboa, uma sessão pública para apresentação da proposta do Plano.

O encontro, entre técnicos da autarquia e o público, pretendeu recolher contributos para a “melhoria contínua do Plano”, como salientaram os responsáveis da autarquia, que identificaram o trafego rodoviário como a “principal fonte de ruído na cidade de Lisboa”.

De acordo com o Regulamento Geral do Ruído as entidades gestoras de grandes infra estruturas de transporte rodoviário são responsáveis pela elaboração de mapas estratégicos e planos de ação, nos termos do disposto do Decreto-lei 146/2006 de 31 de julho.

No caso de Lisboa, são consideradas grandes infra estruturas de transporte rodoviário (6.000.000 veículos por ano) a A5, gerida pela Brisa, o IP7 e o IC17, geridos pela Estradas de Portugal e a Ponte 25 de Abril gerida pela Lusoponte.

Numa cidade em que “33 mil pessoas se encontram expostas a níveis de ruído acima do limite legal”, de acordo com os estudos realizados pela Câmara de Lisboa, as acções previstas no Plano obrigarão a um investimento de cerca de 9 milhões de euros, dividido por três fases, abrangendo um total de 29 “zonas prioritárias de intervenção”.

O Plano, considera ainda que as medidas agora apresentadas, poderão ter “um impacte positivo não apenas nos encargos das famílias mas ainda nos custos da administração central em despesas relacionadas com saúde e apoios sociais”.