Município, Urbanismo

Está aberto o debate sobre projetos para a Praça de Espanha

14, Dezembro 2017
Depois de terem sido conhecidos os nove finalistas ao concurso de ideias, é agora tempo de dá-los a conhecer e pedir a opinião dos lisboetas. Até 29 de janeiro, na Fundação Calouste Gulbenkian.

“9 Ideias – Parque Praça de Espanha” é o nome da exposição que dá a conhecer na Fundação Calouste Gulbenkian os nove projetos finalistas ao concurso promovido pela Câmara  Municipal de Lisboa para aquela área estruturante da cidade, inaugurada em 14 dezembro pelo vereador do Urbanismo, Manuel Salgado. Duas horas antes, os projetos foram apresentados pelos autores numa conferência muito participada. 

Manuel Salgado agradeceu aos concorrentes, aos nove finalistas mas também aos que ficaram pelo caminho (no total foram apresentados 12 projetos), e confessou ter sido “particularmente estimulante” o que viu nas apresentações levadas a cabo durante a conferência e sublinhou que a composição do júri teve em conta a importância para aquela zona em áreas como a drenagem das águas e “da presença da água no contexto da cidade”, presente em todas as propostas.

Discussão pública

Um dos concorrentes havia salientado tratar-se de “um concurso atípico”, incluir uma fase intermédia de apresentação e discussão das propostas finalistas, e o vereador sublinha ter sido “exactamente essa” a preocupação da autarquia. “Este local é de tal modo importante na cidade, que nos parece justificar-se plenamente esta metodologia assente num programa muito aberto, mas ao mesmo tempo bastante denso e muito rico”, sublinhou. 

Disponíveis no Portal da Participação, os projetos entram agora num período de consulta pública que, diz Manuel Salgado, permitirá recolher críticas e sugestões de molde a provocar reflexão e a provocar a reformulação do programa, para que na segunda fase do concurso seja escolhida a proposta vencedora, “aquela que vai ser concretizada”.

O calendário é, frisa, “ambicioso”, para explicar que a Câmara de Lisboa pretende abrir a segunda fase do concurso no final de fevereiro e iniciar as obras no terreno em 2019. Trata-se, explica, do segundo entre um conjunto de “parques urbanos” em perspetiva, o primeiro será o Parque Ribeirinho Oriental e a adjudicação da empreitada está prevista para a próxima reunião do executivo camarário.

Para o Vale de Santo António será entretanto lançado concurso semelhante e Manuel Salgado convoca a experiência do programa “Uma Praça em cada Bairro” para fazer uma analogia com a importância do tema “Parques Urbanos” para a cidade de Lisboa. “Não nos queríamos ficar por estes três, penso que ainda há mais oportunidades na cidade”, revela.   

Array
Mais notícias sobre:
Município, Urbanismo