Município, Urbanismo

IPO vai ter um novo edifício na Praça de Espanha

16, Janeiro 2017
A CML e o IPO assinaram um protocolo para a construção de um novo edifício na Praça de Espanha. Uma oportunidade para termos mais IPO e melhor IPO, afirmou Fernando Medina na cerimónia.

A Câmara Municipal de Lisboa e o Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO), assinaram um protocolo de parceria com vista à construção de um novo edifício na Praça de Espanha, onde o IPO pretende concentrar todos os serviços de ambulatório. O acordo foi assinado pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e pelo presidente do Conselho de Administração do IPO, Francisco Ramos, numa cerimónia que decorreu no dia 16 de janeiro no anfiteatro do Instituto e contou com a presença do Ministro da Saúde, Adalberto Fernandes.

Uma instituição de referência para o país e a cidade de Lisboa, afirmou Fernando Medina, não só pelos cuidados que presta mas também do ponto de vista da relação entre doente, tratamento e famílias. O IPO tem ao longo dos anos uma referência da humanização nos cuidados de saúde”, diz.

Nos termos do protocolo, a construção do novo edifício, projetada em terrenos que a CML cede ao IPO de Lisboa, num espaço junto ao local antes ocupado pelo mercado de feirantes da Praça de Espanha, passará a dispor de novos e melhores acessos pedonais e viários que a autarquia vai construir. Uma antiga aspiração daquela instituição, referiu Francisco Ramos, que agora ganha corpo face ao apoio da autarquia lisboeta. 

Fernando Medina congratula-se com o arranque do projeto e lembra que corresponde ao maior investimento realizado pelo IPO em Lisboa há várias décadas e afirma que se trata de uma decisão de futuro e estratégica, que “marca um salto perante anos de alguma indefinição”. E adianta: “vai fazer com que tenhamos mais IPO e melhor IPO, a servir o pais e a cidade.”

Esta intervenção, com início previsto para 2018, insere-se nos objetivos urbanísticos para a Praça de Espanha que a Câmara de Lisboa aprovou e submeteu a consulta pública, permitirão garantir o funcionamento do IPO no centro de Lisboa, num horizonte temporal de 15 a 20 anos. O presidente da autarquia sublinha ainda que “é do ponto de vista da cidade um instrumento de valorização urbanística” da capital. O edil adianta ainda tratar-se de um investimento que “é âncora da alteração que vai acontecer nos próximos anos na Praça de Espanha”, desvendando a intenção da autarquia levar ali a cabo um projeto que permita a ligação direta entre a Avenida de Berna e a Avenida Calouste Gulbenkian, bem como entre esta e a Avenida dos Combatentes, requalificando a praça num grande jardim, vocacionado para a fruição pública.  

Com esta intervenção o IPO vai requalificar as instalações, melhorar a qualidade do atendimento, do acolhimento e da segurança dos doentes, bem como as condições de trabalho dos profissionais do Instituto, e Fernando Medina manifesta a total disponibilidade da Câmara Municipal de Lisboa para apoiar o instituto.  

Array
Mais notícias sobre:
Município, Urbanismo