Funeral de Rúben de Carvalho

16, Junho 2019
  • Funeral de Rúben de Carvalho
    Funeral de Rúben de Carvalho

O funeral de Rúben de Carvalho, antigo vereador comunista na Câmara Municipal de Lisboa, realizou-se no dia 16 de junho, no Cemitério do Alto de S. João. Na ocasião, o elogio fúnebre ficou a cargo do secretário geral do Partido Comunista Português, Jerónimo de Sousa.

Desde a véspera que milhares de pessoas haviam passado pelos Paços do Concelho onde, na Sala do Arquivo, o féretro esteve em câmara ardente. Entre outros que marcaram presença, apresentando condolências à companheira do defunto, a jurista Madalena Santos (que é funcionária da autarquia lisboeta) e outros familiares, assinando o livro de condolências, destacam-se o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro ministro, António Costa, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Para além de diversos membros do Governo, não deixaram de prestar a última homenagem o antigo Presidente da República Jorge Sampaio (com quem Rúben de Carvalho trabalhou na CML), o vice-presidente da Assembleia da República, José Manuel Pureza, destacados dirigentes do PCP - como o antigo secretário geral Carlos Carvalhas, membros dos Comité Central e antigos e atuais deputados, como Odete Santos e António Filipe, ou o vereador e deputado europeu João Ferreira - e de todos os partidos com representação parlamentar. Também muitas personalidades ligadas às artes e à cultura vieram testemunhar a sua gratidão para com o homem de cultura que foi Rúben de Carvalho, nomeadamente gente ligada à música, como os elementos do antigo grupo Trovante (lançado pelo defunto na primeira Festa do Avante, em 1976) Luís Represas, João Gil e Manuel Faria, ou Júlio Pereira e Paulo de Carvalho.

O féretro saiu dos Paços do Concelho envolto na bandeira do PCP, depois de uma última e breve homenagem: a execução de um tema de Fado (o género lisboeta hoje Património Mundial e que Rúben ajudou a reabilitar nos anos 90), pelo guitarrista Ricardo Rocha.

Rúben de Carvalho destacou-se desde a juventude na luta pelas liberdades cívicas, afrontando a ditadura e por isso pagando o preço de perseguições, como sucessivas prisões e tortura. Dirigente do movimento associativo estudantil no liceu e na sua passagem pela Faculdade de Letras, tornou-se ativista da CDE nos anos sessenta e militante do PCP em 1970, partido pelo qual foi eleito deputado à Assembleia da República, e vereador nas câmaras municipais de Setúbal e Lisboa. Era membro do Comité Central do PCP.

Personalidade de vasta cultura, era especialista em Fado, Jazz e Blues, das suas raízes populares às expressões mais eruditas. Para além de escritor e editor de livros e discos, foi o responsável pela produção de numerosos espetáculos musicais e pela vinda a Portugal de grupos e artistas de projeção mundial - nomeadamente (mas não só) no âmbito da festa do Avante, de que foi o principal organizador na área da música, desde a primeira edição, em 1976. Lisboeta por nascimento e vivência, conhecia a cidade como poucos. Foi vereador na Câmara, comissário da Lisboa 94 Capital Europeia da Cultura (com o pelouro da Música e das Edições), diretor artístico do Festival Músicas e Portos e responsável pela organização em novos moldes das Festas da Cidade.

No próprio dia do falecimento de Rúben de Carvalho, no passado dia 11, na sequência da sua hospitalização, a Câmara Municipal de Lisboa, através do seu presidente Fernando Medina, emitiu um comunicado de homenagem, obituário e expressão de condolências, conforme se pode Opens external link in new windowler aqui.