Início » Viver » Ambiente » Ar

Qualidade do Ar

Em meio urbano a poluição atmosférica constitui-se como um dos principais fatores de degradação da qualidade de vida das populações. Na cidade de Lisboa, a qualidade do ar é influenciada sobretudo pelos níveis de tráfego rodoviário, consequência do aumento significativo das necessidades de mobilidade das populações.

Os compostos libertados para a atmosfera provenientes da exaustão de gases dos veículos automóveis originam uma variedade de impactes ambientais a diferentes escalas geográficas e temporais.

A combustão dos hidrocarbonetos presentes no combustível tem como principal produto da reação o dióxido de carbono e vapor de água. Contudo, a combustão nem sempre é cem por cento eficiente, isto é, parte do combustível não é queimado ou então é parcialmente queimado. Neste processo o produto da combustão é mais complexo podendo ser constituído por hidrocarbonetos e outros compostos orgânicos, monóxido de carbono e partículas que contêm carbono e outros contaminantes. Por outro lado, as condições de combustão - altas pressões e temperaturas - originam uma oxidação de parte do azoto presente no ar e no combustível formando-se óxidos de azoto (principalmente NO e algum NO2) convencionalmente designados por NOx.

Muitos dos poluentes emitidos dos veículos automóveis reagem com os componentes do ar ou entre eles e formam os denominados poluentes secundários. Devido ao efeito de dispersão ocorrido durante o tempo de reação, a concentração dos poluentes secundários normalmente não atinge valores máximos junto à fonte. O seu impacto pode, no entanto, estender-se a grandes áreas não confinadas ao local das vias.

Para efeitos de avaliação da qualidade do ar, a cidade de Lisboa dispõe de um conjunto de estações fixas de monitorização estando em atualmente em funcionamento 6 estações, 3 estações urbanas de tráfego e 3 estações urbanas de fundo.
As estações da Rede de Monitorização da Qualidade do Ar (RMQA), da responsabilidade da CCDR LVT, estão equipadas com um conjunto de analisadores que medem em contínuo e de forma automática os vários poluentes atmosféricos.

Diariamente estes dados são disponibilizados na  base de dados nacional sobre qualidade do ar (QualAr), sob a forma de concentrações médias horárias e de um índice de qualidade do ar para as diversas zonas da região de Lisboa e Vale do Tejo, sendo esta informação atualizada várias vezes ao dia.

Na última década verificou-se na cidade de Lisboa um decréscimo significativo das emissões da maioria dos poluentes, resultando numa melhoria significativa da qualidade do ar. Contudo, observam-se ainda concentrações elevadas dos poluentes PM10 e NO2 nas zonas de maior tráfego, persistindo assim alguns problemas de qualidade do ar.

Nesse sentido a Câmara Municipal de Lisboa e a Comissão de Coordenação e de Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT) têm estabelecido protocolos de colaboração e cooperação técnica relativos à prossecução das competências em matéria de qualidade do ar na área geográfica de jurisdição abrangida pelas duas entidades.