Plano de Acessibilidade Pedonal expõe soluções inovadoras

Setembro 21, 2017
  • Plano de Acessibilidade Pedonal expõe soluções inovadoras
    Plano de Acessibilidade Pedonal expõe soluções inovadoras
  • Plano de Acessibilidade Pedonal expõe soluções inovadoras
    Plano de Acessibilidade Pedonal expõe soluções inovadoras
  • Plano de Acessibilidade Pedonal expõe soluções inovadoras
    Plano de Acessibilidade Pedonal expõe soluções inovadoras

Este é o espaço por onde passam mais munícipes para interagir diretamente com a autarquia e onde “faz mais sentido apresentar este tipo de exposições”, nomeadamente ligadas aos Direitos Sociais, afirmou João Afonso.

Patente até 27 de outubro, a exposição apresenta  dados que retratam a realidade social de Lisboa, que “a maior parte de nós desconhece”, revelou Miguel Judas, responsável pela organização da mostra, em articulação com a equipa do Plano de Acessibilidade Pedonal (PAP). Conhecer a cidade “não é uma coisa menor”, salientou.

É importante saber, por exemplo, que “62% dos lisboetas tem algum tipo de incapacidade, tem 65 ou mais anos”, e mais de 55% dos inquiridos neste estudo já caiu no passeio pelo menos uma vez. Números que exigem “soluções inovadoras que Lisboa precisa para ser mais confortável e segura para quem anda pela cidade”.

Sabia, ainda, que “30% dos atropelamentos ocorrem em passadeiras de peões”, e que “são atropeladas mais pessoas a atravessar com o verde para o peão, do que com o vermelho”?

Foram 100 as medidas deste plano, aprovadas pela autarquia, unanimemente, em 2013, consagrando um compromisso político para uma cidade progressivamente mais inclusiva. Soluções já em marcha, com novos modelos para passeios e paragens de autocarros, até intervenções nas ruas amigas dos peões, onde se podem ver muitas das medidas concretas e os seus efeitos.

Desde a década de 80 do século XX, o município desenvolve iniciativas para eliminar barreiras arquitetónicas. Mas o PAP constitui um ponto de viragem e é assumido transversalmente em todas as áreas de intervenção autárquica, modelando uma visão de cidade integrada.

Um dos desafios lançados nesta mostra será, portanto, que cada pessoa interessada possa colocar-se no papel de outra, vivendo dificuldades que só em determinados casos se sentem. Por exemplo, a de circular com cadeiras de rodas (ou bengalas para invisuais) nos passeios, vivenciando a diferença entre o novo piso confortável já instalado e a calçada de calcário tradicional.