Pagina principal

Largo do Rato

LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

Freguesia: SANTO ANTÓNIO
Bairro: SÃO MAMEDE


Localizado nas freguesias de Santo António e Campo de Ourique (no seu extremo Poente), o Largo do Rato assume uma configuração particular na cidade de Lisboa, fruto do número significativo de arruamentos que nele convergem e da sua topografia, marcada por diferenças de cotas altimétricas assinaláveis. As sucessivas intervenções realizadas nesta área ao longo do tempo conduziram a um espaço público com um carácter assumidamente rodoviário (transporte individual e público), em detrimento do usufruto do espaço e da mobilidade e acessibilidade de peões.

A área de intervenção é definida pelo conjunto edificado que delimita o Largo do Rato, estendendo-se ao troço inicial dos arruamentos que nele confluem: Rua Alexandre Herculano, Rua do Salitre, Rua da Escola Politécnica, Rua de São Filipe Neri, Calçada Bento da Rocha Cabral, Rua das Amoreiras, Avenida Álvares Cabral, Rua do Sol ao Rato, Rua de São Bento.

Área  de intervenção aproximada : 12.900 m².

Na sequência da aprovação do programa UMA PRAÇA EM CADA BAIRRO, em reunião de Câmara de 28 de maio de 2014, passou-se para uma recolha de contributos por parte da população mais diretamente ligada aos locais de intervenção.

Com o processo de participação pretendeu-se obter, por parte dos cidadãos, uma avaliação sobre diferentes questões pertinentes na vivência do espaço público, com implicações tanto na concretização do desenho urbano, como na definição de prioridades de requalificação em cada praça, obter igualmente um diagnóstico da situação existente, recolher ideias e sugestões para a zona, apoiar a definição das prioridades de intervenção e integrar nos projetos os resultados em desenvolvimento. 

Foram submetidas Online participações dos cidadãos para o Largo do Rato, entre os meses de janeiro e fevereiro de 2015, através da respetiva plataforma digital de participação da CML. 

Da análise das preocupações e sugestões apresentadas, salientam-se as seguintes:

ESPAÇO PARA O PEÃO

Necessidade de aumentar a área pedonal e de definir áreas de estadia com mobiliário urbano adequado, quiosques, esplanadas, etc;

Urgência de adaptação dos passeios a pessoas com mobilidade reduzida e de melhoria do sistema de iluminação pública; 

Introdução de intervenções artísticas no espaço público e a recuperação/valorização do chafariz do Largo do Rato. 

TRANSPORTES 

Reforço da ligação entre os diversos transportes públicos, criação de condições no largo para a circulação de bicicletas e a reposição da linha do eléctrico.

CIRCULAÇÃO E MOBILIDADE

Reorganizar e simplificar a circulação rodoviária, reduzindo o espaço dedicado ao transporte individual;

Introduzir medidas de redução da velocidade automóvel;

Garantir percursos pedonais livres de obstáculos;

Melhorar as condições de segurança e tempos de espera nos atravessamentos do largo;

Optimizar os percursos de acesso a transportes.

ESTACIONAMENTO

Eliminação do estacionamento abusivo e reserva de áreas para cargas e descargas.

ESPAÇOS VERDES / ÁRVORES

A introdução de áreas verdes e a arborização no Largo do Rato foi identificada como fundamental para a melhoria da qualidade do espaço público.

Espaço Público: Aumentar o passeio sul do Largo, junto da frente comercial, dotando-o de dimensão de estadia; potenciar este espaço de uma nova estrutura arbórea que potencie a estadia e o aumento das áreas de esplanada; articular esta intervenção com os projetos existentes na área da acessibilidade pedonal; promover a integração da mobilidade suave, integrando-o numa nova rede da 7ª Colina; compatibilização da proposta de espaço público com a reposição da carreira de elétrico, aproveitando sempre que possível a infraestrutura existente; estudo de circulação viária de toda a área envolvente com introdução de medidas que possibilitem a execução da proposta; implementar um sistema de circulação viário que permita a inversão de sentido em todas as direções (explorar a possibilidade de rotunda); acentuar o eixo focal da Igreja de Nossa Senhora da Conceição (via Rua Alexandre Herculano / Rua do Salitre) e da Avenida Álvares Cabral; melhorar e tornar mais seguro o atravessamento pedonal do Largo através de novos percursos pedonais; retirar o estacionamento no espaço fronteiro à Igreja de Nossa Senhora da Conceição, introduzindo mobiliário urbano que fomente a estadia;

Estudo Urbano: elaborar um estudo de fachadas para a frente edificada sul do Largo, que através de um estudo de cérceas e uma nova paleta de cores que permita valorizar a frente mais heterogénea do Largo, com incidência nos rés-do-chão comerciais;

Economia e Inovação: elaboração de programa de apoio à reabilitação dos imóveis situados no Largo; implementação do programa rés-do-chão como forma de reconverter e diversificar a oferta comercial existente;

 


 

Forças Fraquezas
Existência de Frentes de comércio e serviços públicos; Interface urbano de transportes públicos com estação Terminal da Linha de metropolitano existente (amarela);
Carga simbólica do Espaço; Forte poder de atratividade pela sua posição estratégica na distribuição das redes: viária, transportes e pedonal; Valor arquitetónico das suas frentes edificadas com diferentes escalas e funções, que enriquecem o local; Função de porta de entrada no casco histórico da cidade; Integra a rede pedonal estruturante da cidade;
Presença rodoviária muito demarcada criando incompatibilidade no atravessamento pedonal;
Inexistência de locais de estadia resultando na falta de mobiliário urbano e elementos arbóreos; Presença de barreiras físicas (muros e gradeamentos) que promovem cortes na leitura espacial do Largo;.
Inexistência de ciclovias e mobiliário para estacionar bicicletas;
Topografia do Largo;
Oportunidades Ameaças
Valorizar o interface urbano de transportes públicos (carris, metropolitano) com a ligação à linha da Refer através do projeto urbano do Mercado do Rato;


Excessivo peso do interface urbano de transportes públicos (carris, metropolitano);
Forte carga rodoviária;