Pagina principal

Rua de Campolide

LOCALIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

Freguesia: CAMPOLIDE
Bairro: AMOREIRAS

A área a intervir abrange, além da extensão da Rua de Campolide entre a Rua Professor Sousa da Câmara e a Rua Marquês da Fronteira, o troço poente da Rua Marquês de Fronteira até ao cruzamento com a Avenida Conselheiro Fernando de Sousa, bem como o troço norte desta até ao cruzamento com a Rua Aviador Plácido Abreu.

Área de intervenção  aproximada: 21.340m².

Início Obra: 9 de maio de 2016

Obra Concluída (maio de 2017)

Empreiteiro: Consórcio Vibeiras

                        Luis Frazão

 

  • Melhorar as áreas de estadia e pedonais, com aumento dos passeios junto às atividades comerciais;
  • Maior harmonia nos pavimentos;
  • Regular o trânsito e melhorar o estacionamento;
  • Garantir um fácil acesso ao parque de estacionamento subterrâneo e criar bolsas de cargas e descargas;
  • Criar um parque infantil e um quiosque para restauração com área de esplanada;
  • Aumentar as zonas verdes e as árvores e criação de um elemento de água;
  • Reativar a carreira de eléctrico 24 (Campolide/Cais do Sodré) com estação terminal na praça.

O concurso de empreitada para a requalificação do espaço público da Rua de Campolide foi aprovado em Reunião de Câmara do dia 9 de setembro de 2015 (Proposta n.º 515/2015).

A adjudicação da empreitada foi aprovada na Reunião de Câmara de 29 de janeiro de 2016 (Proposta n.º 36/2016).

Na sequência da aprovação do programa UMA PRAÇA EM CADA BAIRRO, em reunião de Câmara de 28 de maio de 2014, passou-se para uma fase de recolha de contributos por parte da população mais diretamente ligada aos locais de intervenção.

Com o processo de participação pretendeu-se obter, por parte dos cidadãos, uma avaliação sobre diferentes questões pertinentes na vivência do espaço público e que têm implicações tanto na concretização do desenho urbano como na definição de prioridades de requalificação em cada praça, obter um diagnóstico da situação existente, recolher ideias e sugestões para a zona, apoiar a definição das prioridades de intervenção e integrar nos projetos os resultados em desenvolvimento. 

Através da plataforma digital do sítio da CML, entre novembro e dezembro de 2014, foram submetidas diversas participações on-line para a Rua de Campolide. 

Foram ainda realizadas duas sessões públicas, na Junta de Freguesia de Campolide, tendo a  1ª sessão decorrido no dia 27 de novembro de 2014, com o objetivo de ouvir a população sobre os problemas e as sugestões que identificam para a área de intervenção. 

 2ª sessão pública realizou-se no dia 12 de fevereiro de 2015, tendo sido apresentadas as intenções de intervenção face às questões levantadas na 1ª Sessão Pública, posteriormente avaliadas e compatibilizadas com as questões técnicas inerentes a este tipo de projetos.

 Apresentação (5.1 MB)

Da análise das preocupações e sugestões apresentadas, salientam-se as seguintes:

TRANSPORTES

necessidade de repor carreiras em Campolide para a baixa;

repor elétrico (reduz poluição), integrando um circuito turístico;

necessidade da chegada do metro a Campolide e autocarro direto até Entrecampos;

criar melhores condições de abrigos dos públicos dos transportes (chuva e sol).

CIRCULAÇÃO E MOBILIDADE

reestruturação do trânsito;

desviar trânsito da Rua de Campolide;

coexistência uso de bicicletas no local;

relocalizar paragem táxis para o lado oposto à rua marques da fronteira (facilita inversão);

disciplinar estacionamento Rua Carlos Mascarenhas.

SUGESTÕES

aumentar área pedonal, fazendo do passeio uma grande praça, espaços “verdes” e com uma fonte/ bancos/parque infantil/esplanadas;

criar maior segurança/ iluminação/ pavimentos antiderrapantes;

regeneração do comércio local/ mais comercio/ pequeno comércio/ turismo/eléctrico.

Espaço Público: elevação da faixa de rodagem, através de um pavimento único unificador da Praça; redução do canal rodoviário (em pavimento misto); introdução de pavimentos confortáveis na fixa pedonal próxima às frentes comerciais; estudo de espaço público na área envolvente ao chafariz; Criação de um estacionamento público de apoio à Praça na envolvente; criação na Praça do término da revitalizada carreira de elétrico 24 (Campolide/Cais do Sodré); encerramento da ligação viária entre a Rua de Campolide e a Avenida Conselheiro Fernando de Sousa e pedonalização da mesma; Criação de um espaço aglutinador com predominância pedonal, que permita cerzir as distintas épocas arquitetónicas;

Estudo Urbano: estudo da fachada cega norte da Praça com introdução de materiais que permitam a sua plasticidade urbana, rasgando vãos no edificado ao nível do piso térreo, que possibilitem a apropriação do espaço público com esplanadas pelo restaurante (“A Valenciana”) e a Pastelaria (“A Pastorinha”) ;

Economia e Inovação: programa de articulação com os proprietários dos espaços de restauração indicados;

Forças Fraquezas
Frente de comércio forte; Sede da Junta de Freguesia de Campolide; Parque de Estacionamento subterrâneo; Interface de transportes na Rua Marquês da Fronteira; Infraestrutura da rede de elétrico no local; Proximidade de espaços de restauração com poder de atração extra bairro (restaurante “A Valenciana”; Via Histórica de saída de Lisboa; Pavimentos desadequados (esplanadas e montras de lojas ocupam os passeios);
Difícil circulação pedonal, dimensão de passeios reduzida na frente comercial;
Excessivo trânsito de atravessamento;
Espaço público central com pouca utilização;
Oportunidades Ameaças
Revitalização da carreira 24 (Campolide/Cais do Sodré); Expansão da rede do metropolitano de lisboa (nova estação Rua Marquês da Fronteira); Implementação do PP Artilharia Um; Demolição de edifícios dissonantes na Praça; Existência de usos comerciais de restauração; Espaço público existente com apetência para a colocação de esplanadas; Construção prevista em breve de um parque de estacionamento;

Não tratamento da empena cega a dos edifícios da frente norte da Praça;
Não implementação do PP Artilharia Um;
Área de atravessamento rodoviário forte;