Voluntários limpam Lisboa

Setembro 27, 2015
  • Voluntários limpam inscrições em equipamentos na cidade de Lisboa
    Voluntários limpam inscrições em equipamentos na cidade de Lisboa
Array

Foram mais de trezentos os voluntários que em 26 de Setembro aderiram ao apelo da Câmara Municipal de Lisboa e das juntas de freguesia e lançaram mãos à obra na limpeza de tags e graffitis em diversos espaços da capital, particularmente no mobiliário urbano. Uma iniciativa inserida na celebração de Lisboa Capital Europeia do Voluntariado, que contou com a participação de vários presidentes de junta.

Papeleiras, paragens de autocarro, cabines telefónicas, parques infantis, sinais de trânsito e quiosques foram alguns dos equipamentos alvo da acção de limpeza, que incidiu ainda em montras e portas pichadas, muitas vezes a pedido de moradores e comerciantes que saudavam os voluntários. 

Suzana Ramos, Diretora do departamento para os Direitos Sociais da autarquia explicou que com esta acção procurou-se também “valorizar a pertença de todos à cidade” e alertar para a preservação dos seus espaços e mobiliário urbano, que “importa não vandalizar”.

“Um apelo à limpeza desta cidade que todos amamos”, frisa o director municipal da Limpeza Urbana Rui Lourenço, que salienta os avultados recursos gastos pelo município na limpeza deste tipo de inscrições e valoriza o papel das juntas de freguesia, não só em acções de limpeza semelhantes mas também na consciencialização dos cidadãos. 

É também com a população que Carla Madeira, presidente da junta de freguesia da Misericórdia, conta. A autarca, que participou ativamente com cerca de vinte voluntários nas operações de limpeza, revelou que muitas pessoas se dirigiam ao grupo disponibilizando-se para ajudar. 

E Carla Madeira faz questão de separar as águas: “Isto não é graffiti, é vandalismo”. Opinião de resto partilhada por Michael, um dos jovens que em Santa Maria Maior participou na iniciativa, que afirma conhecer muitos graffiters para quem as pichagens com tags e diversas inscrições são absolutamente condenáveis.

A Câmara de Lisboa gasta anualmente cerca de um milhão de euros em operações de limpeza deste tipo de inscrições, referiu um dos responsáveis do pelouro dos Direitos Sociais da autarquia.